terça-feira, 1 de agosto de 2006

Nova rodada de pesquisas está no forno

Devem ser divulgadas nos próximos dias mais duas pesquisas sobre a eleição presidencial, ambas já devidamente registradas no Tribunal Superior Eleitoral. O Ibope está realizando seu tradicional levantamento para a Confederação Nacional da Indústria. Desta vez, os números poderão ser comparados aos que emergiram da enquete feita para a TV Globo, já que os candidatos incluídos nos levantamentos são os mesmos. Na pesquisa da Globo, deu Lula com 44%, Alckmin com 27% e Heloísa Helena com 8%. Vitória do presidente no primeiro turno, por 6 pontos percentuais (44% contra 38% de todos os demais adversários).

Este blog já advertiu que não consulta videntes, mas analisa o cenário político e faz prognósticos. Para a pesquisa contratada pela CNI, o palpite é de estabilidade em todas as candidaturas. Talvez Cristovam Buarque consiga romper a barreira do 1% e Lula, Alckmin e Helena oscilem dentro da margem de erro.

A outra pesquisa que está no forno é do instituto Sensus, contratada pela Confederação Nacional dos Transportes. Neste caso, o levantamento anterior do Sensus, feito em 4 de julho, mostrava Lula com 44,1%; Alckmin com 27,2% e a senadora Heloísa Helena com 5,4%. O blog arrisca que Lula e Alckmin permanecerão onde estão e Helena sobe para o patamar de 10%.

Em relação às duas pesquisas, do Ibope e Sensus, o blog arrisca também que os candidatos Luciano Bivar e José Maria Eymael pontuarão.

A razão para os palpites é simples. Faltam apenas 15 dias para o início da propaganda eleitoral gratuita. Até lá, as oscilações dependem muito da imagem dos candidatos no Jornal Nacional da TV Globo, principal palanque deste período de pré-campanha. Cristovam não tem conseguido aproveitar o nobre espaço que lhe foi concedido e, da mesma maneira que Bivar e Eymael, conquistará alguns votos pela exposição cada vez mais frequente de seu nome. Mas os três somados dificilmente passarão de 5%. Heloísa Helena, ao contrário, parece ter aproveitado muito bem a janela global, mas não criou na semana passada fato político que justificasse uma nova subida. Lula e Alckmin podem sofrer algum arranhão com a crise dos sanguessugas, mas não houve grande reação popular à divulgação do escândalo e as oscilações devem se dar na margem de erro das pesquisas.

Assim, se a eleição fosse hoje, dia 1° de agosto, Lula estaria reeleito no primeiro turno. A oposição tem exatos 60 dias para tentar reverter este cenário.

Um comentário:

  1. 60 dias bem aproveitados. Os 60 dias da virada! Assim espero eu.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.