sexta-feira, 18 de agosto de 2006

ACM não assiste mais o programa de Geraldo

Está começando a dar pena do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, tantos são os problemas de sua campanha. Os dois textos abaixo dão uma idéia de como as coisas estão desandando no lado tucano. Até agora, ninguém descobriu alguma rusga no comando da campanha de Lula. Um time desunido sempre enfrenta mais dificuldades para vencer: o meia-esquerda não põe a bola no pé do centroavante, o lateral faz corpo-mole para prejudicar o volante, enfim, por melhores que sejam os jogadores, a equipe não funciona. É o que está acontecendo na aliança tucano-pefelista. Nem em 2002, quando Serra esmagou o PFL e uma parte do PMDB, as reclamações dos aliados eram tão grandes. Se continuar deste jeito, não demora muito e a mídia vai começar a especular sobre a troca de candidato na aliança.

1. Da Agência Estado:

ACM critica ´falta de coragem´ de Alckmin para bater em Lula

Os pefelistas não se conformam com o fato de o tucano não ter aproveitado o horário gratuito para atacar o adversário

Christiane Samarco

PALMAS - A briga entre PSDB e PFL em torno do programa eleitoral e do discurso do candidato tucano à Presidência da República, Geraldo Alckmin, atingiu o seu ponto mais alto, nesta sexta-feira, 18. Os pefelistas não se conformam com o fato de Alckmin não ter aproveitado o horário gratuito para "bater" no seu maior adversário, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Eu não agüento mais a falta de coragem do Alckmin de bater no Lula. Não assisto mais aquele programa", desabafou à Agência Estado o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL), em entrevista por telefone, referindo-se aos dois primeiros dias de propaganda, em cadeia de rádio e TV. "Ou bate ou tira esse programa do ar", afirmou ACM, menos de 24 horas depois de o governador tucano, Aécio Neves (MG), ter defendido tese oposta: a de que Alckmin não deve mudar seu estilo, nem atacar Lula, principalmente.

Os aliados de Alckmin nos estados também estão irritados com a cobrança da campanha nacional de incluir o candidato a presidente nas propagandas dos candidatos nos estados. Nesse caso, os tucanos também endossam as críticas dos pefelistas. Todos dizem que Alckmin não tem o direito de reclamar e responsabilizam o marketing da campanha presidencial pela ausência do candidato nos programas estaduais.

A reclamação geral é de que não houve reunião da equipe de marketing de Alckmin com as produtoras dos candidatos a governador. Dizem que não receberam nenhuma orientação, "nenhum centavo", nenhum pedido, nenhuma vinheta ou qualquer outro material para ser incluído em seus programas.

Enquanto os tucanos reclamam nos bastidores, o senador Antonio Carlos Magalhães alardeia sua insatisfação. Disse que não foi procurado por ninguém para integrar a campanha estadual à nacional e disse que até agora a Bahia não recebeu nenhum material de Alckmin, nem mesmo adesivo.

"Eu cito o nome do Alckmin em todo lugar. Ele é que não fala em mensalão, em sanguessuga, em coisa nenhuma. Ficam achando que está tudo bem na campanha, mas não está não", desabafou.



2. Do blog do jornalista Ricardo Noblat:

Intervenção tucana

Geraldo Alckmin teve de apelar a Tasso Jereissati, presidente do PSDB, para que seja lembrado nos programas de rádio e TV de aliados nos estados. Candidatos ao Senado e aos governos estaduais ignoram o nome de Alckmin em suas propagandas.

Alckmin não quer ficar sozinho na busca de votos. Aliados importantes têm deliberadamente deixado o nome dele de fora.

Aécio Neves, governador de Minas Gerais, por exemplo, chegou ao ponto de dizer que não precisava de “bengala” para se reeleger ao explicar por que Alckmin havia ficado de fora de sua propaganda (veja nota abaixo).

Tasso adiantou que vai atender ao pedido, informa o repórter Felipe Recondo, repórter do Blog.

- Isso é desleixo das campanhas estaduais. Vamos fazer uma intervenção, uma interferência direta e dura nos diretórios -, afirmou o presidente do PSDB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.