sexta-feira, 11 de agosto de 2006

Em São Paulo, Lula já empata com Alckmin

Mais uma boa notícia para o presidente Lula: em São Paulo, a diferença do tucano Geraldo Alckmin para ele diminuiu significativamente e os dois já estão tecnicamente empatados. Há uma semana, Alckmin tinha 10 pontos percentuais a mais do que Lula no Estado que governou até abril. Leia abaixo os detalhes da pesquisa, em reportagem publicada no DCI.

Diferença entre Alckmin e Lula em São Paulo é de 3,5 pontos

Luiz Antonio Magalhães
A primeira pesquisa realizada pelo Instituto Engrácia Garcia Pesquisa & Opinião para o DCI sobre o cenário eleitoral no Estado de São Paulo revela que a diferença entre o candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição pelo PT, está hoje em apenas 3,5 pontos percentuais a favor de Alckmin, que tem 38,5% contra 35,3% de Lula. Como a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para cima ou para baixo, na prática Lula e Alckmin estão empatados tecnicamente no Estado que foi governado pelo candidato tucano até abril deste ano.
Esta foi a primeira pesquisa do Engrácia Garcia para o DCI sobre o cenário eleitoral em São Paulo, de modo que não é possível comparar os resultados com os levantamentos anteriores. Em relação à última pesquisa realizada pelo Ibope para o jornal O Estado de S. Paulo entre os dias 28 e 30 de julho, porém, é possível afirmar que Alckmin está em queda no Estado e também que o presidente Lula vem ganhando votos entre os paulistas. Segundo o Ibope, Geraldo Alckmin tinha 43% e o presidente Lula, 33% — uma diferença de 10 pontos percentuais.
A Pesquisa DCI/Engrácia Garcia, realizada entre os dias 5 e 8 de agosto com 2000 pessoas no Estado de São Paulo, foi registrada no TRE sob o número 281/2006. O resultado do levantamento revela também que a senadora Heloísa Helena (PSOL) teria hoje 7,8% das intenções de voto em São Paulo. José Maria Eymael (PSDC) e Luciano Bivar (PSL) conseguiram 0,3% cada um, enquanto Cristovam Buarque foi lembrado por 0,2% dos entrevistados e Rui Pimenta (PC), por 0,1%. Votos nulos e brancos somaram 7,3% e 10,2% ainda não sabem em quem votarão no dia 1° de outubro.
Para Jorge Rondini Luiz Filho, sócio da Engrácia Garcia, a diferença entre Alckmin e o presidente Lula reflete a crise da segurança pública no estado e a falta de propostas práticas do candidato tucano.
Como as entrevistas foram realizadas em sua maior parte antes da última onda de ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC), o prejuízo de Alckmin no Estado pode ser ainda maior do que os números deste levantamento revelaram.
Os resultados do levantamento das intenção de voto espontânea, em que o entrevistado diz em quem votará sem o estímulo de um disco ou cartão contendo o nome dos candidatos, aliás, revela que Lula bate Alckmin por 27,1% a 24,6%. Na espontânea, Heloísa Helena teria 4,3%, Bivar e Eymael conseguem 0,1% cada um.
Governo de São Paulo
A Pesquisa DCI/Engrácia Garcia também aferiu a tendência dos paulistas na eleição para o governo do estado. Se a eleição fosse hoje, o tucano José Serra teria 49% dos votos e estaria eleito já no primeiro turno. Mercadante (PT) aparece em seguida, com 14,8% das intenções de voto. Orestes Quércia (PMDB) está na terceira colocação, com 11,1%, seguido de Carlos Apolinário (PDT), com 2,6%.
Na seqüência aparecem Mário Guide (PSB) e Anai Caproni (PCO) com 0,3% cada um, Cláudio de Mauro (PV, 0,2%), e Renato Reichmann (Prona), Plínio Sampaio (PSOL), Sarli Júnior (PAN), Cunha Lima (PSDC) e Eder Xavier (PTC), com 0,1% cada um.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.