terça-feira, 15 de agosto de 2006

Wagner Iglécias: quem vai se eleger deputado?

Em mais uma colaboração para este blog, o professor Wagner Iglecias analisa o cenário político atual e a provável composição da Câmara dos Deputados a partir de 2007. O conteúdo não é nada animador – até Severino Cavalcanti (foto) pode voltar–, mas vale a pena ler o texto para entender como o que é ruim pode ficar ainda pior. Abaixo, a íntegra do artigo.

Eleição no Brasil, via de regra, é focada no Poder Executivo. O eleitor decide-se, seja mais cedo, seja mais tarde, pelo candidato a prefeito, governador ou presidente de sua preferência. Avalia sua história de vida, sua personalidade e suas propostas de governo. E, sobretudo, as compara com as dos demais postulantes. Já a decisão de voto para os cargos legislativos fica na maioria das vezes, ao que parece, em segundo plano.

Para piorar, no atual momento da História política brasileira a imagem dos políticos em geral, e do Poder Legislativo em particular, não é das melhores. Após mais de um ano de denúncias de corrupção envolvendo de mensaleiros a sanguessugas, acrescidas dos processos de absolvição de diversos acusados por parte dos próprios congressistas, é de se esperar uma quantidade não desprezível de votos nulos ou brancos para o Congresso Nacional, e especialmente para a Câmara dos Deputados. E ai surge a pergunta: num cenário assim tão ruim, quem tem maiores chances de eleger-se deputado federal?


Se se parte da hipótese de que a quantidade de votos válidos para o Legislativo deverá ser menor do que em outros pleitos, diminui por conseqüência o número de votos necessários para que um candidato seja eleito. Desta forma, aumentam as chances de êxito daqueles candidatos que representam regiões geográficas restritas ou setores sociais específicos. Assim, é bastante provável que prefeitos e ex-prefeitos de cidades com colégio eleitoral de médio e grande porte se elejam para a Câmara dos Deputados. O mesmo deve valer para candidatos que buscam representar setores da economia ou segmentos circunscritos da sociedade.


Acrescente-se a isso o endurecimento da legislação eleitoral deste ano, que prevê fortes restrições à propaganda política, e se vê que aqueles candidatos suprapartidários, que conseguem amealhar votos em todas as regiões e em todos os segmentos sociais, deverão ter mais dificuldades para alcançar o patamar mínimo de votos para chegar à Câmara. Obviamente alguns medalhões, presentes nos principais partidos, seguirão como campeões das urnas e grandes puxadores de votos, carregando consigo alguns companheiros de legenda. Mas é bastante provável que as urnas de 2006 nos apresentem um cenário mais distritalizado na representação legislativa, no qual regiões geográficas e setores sociais específicos poderão contribuir mais do que outras variáveis para a formação de bancadas marcadas pelo paroquialismo. Se for isto o que sair das urnas, poderemos ter uma Câmara dos Deputados com jeitão de Câmara dos Vereadores. A conferir.


Wagner Iglecias é doutor em Sociologia e professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.