terça-feira, 15 de agosto de 2006

O resultado e os bastidores do debate da Band

O primeiro debate entre os presidenciáveis, realizado ontem pela TV Bandeirantes, conseguiu 6 pontos no Ibope e deve ter sido um excelente programa para quem pretendia dormir mais cedo do que o habitual. Sem nenhum momento de emoção, o confronto se assemelhou a uma luta entre boxeadores peso-pena, que geralmente acabam em vitória por pontos e só atrai aficcionados pelo esporte. Da mesma forma, apenas o público que gosta muito de política deve ter tido paciência para chegar ao final do debate e não é fácil dizer quem realmente venceu, se é que houve vencedor.

Além do desempenho dos candidatos, saber qual era o objetivo de cada um no programa é essencial para a análise das possíveis consequências eleitorais deste primeiro debate. Também os fatos ocorridos nos bastidores ajudam a clarear o cenário.

Lula ausente

Antes de mais nada, é preciso atentar para a ausência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva do programa. É fato que vários candidatos criticaram a ausência, mas a pergunta que fica é: Lula perdeu mais votos ao faltar ao programa do que poderia perder se tivesse comparecido? Este blog acredita que o presidente minimizou os riscos e, do ponto de vista estritamente eleitoral, fez bem ao permanecer em Brasília. A audiência pequena e o formato do programa fazem com que a ausência seja percebida por poucos eleitores, em geral os mais informados e que já decidiram em quem votar. Assim, Lula perde poucos votos ao não comparecer, mas poderia desencadear um fato político relevante se, comparecendo, virasse saco de pancadas até dos candidatos nanicos. Portanto, não dá para dizer que Lula foi o perdedor da noite, apesar das críticas que recebeu dos candidatos Heloísa Helena e Geraldo Alckmin, em especial. Tucanos e eleitores do PSOL devem ter desopilado o fígado, mas para o eleitor médio de Lula, não fez muita diferença a ausência no programa.

Tucanos tensos

Geraldo Alckmin (PSDB) foi ao programa em meio a uma crise na sua campanha e tinha um cenário complicado pela frente: com a ausência de Lula e com a crise da segurança pública bombando em São Paulo, poderia se tornar a vidraça da noite. Não conseguiu evitar que a segurança fosse tema dos adversários, mas escapou razoavelmente ileso dos ataques, mesmo porque a candidata Heloísa Helena (PSOL) foi especialmente comedida – talvez preocupada em minimizar a fama de agressiva e destemperada que possui.

Alckmin usou parte de seu tempo para se apresentar aos brasileiros, coisa que se repetiu no programa eleitoral gratuito de ontem. É um tanto incompreensível que os dois principais partidos de oposição tenham que apresentar seu candidato à presidência da República faltando apenas 45 dias para o pleito – o fato de Alckmin ainda ser desconhecido do público é sinal de que sua candidatura não estava madura. De toda maneira, o candidato perdeu tempo se apresentado e tentou falar o máximo possível sobre suas propostas. O problema é que são tantas as propostas que o telespectador não capta a "marca Alckmin", fica sem saber o que ele pretende de diferente. O ex-governador paulista também tem muita dificuldade em demonstrar qualquer tipo de reação emocional, de forma que aparece "robotizado" na tela da televisão.

O comportamentos dos apoiadores de Alckmin durante o programa revela que a situação não está mesmo harmônica na aliança tucano-pefelista. O chamado "núcleo duro" do candidato – a mulher Dona Lu e os ex-secretários Gabriel Chalita e José Carlos Meirelles – ficaram sentados no centro da platéia. A turma da coordenação da campanha (Tasso Jereissati, Roberto Freire e José Aníbal) não se juntaram aos alckmistas e se sentaram no canto esquerdo da platéia. O presidente do PFL, Jorge Bornhausen, só chegou no terceiro bloco, acompanhado pelo prefeito Gilberto Kassab, e não conseguiu se juntar a Freire, que de sua parte chegou a cochilar na cadeira durante o debate, e Tasso. O marqueteiro Luiz González, que vem recebendo críticas da cúpula da campanha, parecia bastante tenso, mas terminou o debate sorridente – ou estava de fato aliviado ou fingia estar.

Heloísa jogou na retranca

Os integrantes do PSOL comemoram bastante a "vitória" da senadora Heloísa Helena no debate, mas é preciso analisar com um pouco mais de atenção o desempenho da candidata para dizer se ela realmente se saiu vitoriosa. Em primeiro lugar, Helena chama atenção pela oratória, pelo gestual e até mesmo por ser a única mulher no meio dos engravatados e sisudos candidatos. Quando ela aparece, o público naturalmente presta mais atenção no que ela diz. A diferença entre a senadora e o ex-governador Alckmin, por exemplo, é gritante, são políticos que usam formas opostas para se expressarem.

Desta maneira, é preciso tentar perceber quais eram os objetivos de Helena no debate e dois deles ficaram muito claros. Por um lado, a candidata foi bastante contida nos ataques a Alckmin (em relação a Lula, é bom notar, foi mais contundente), certamente para mostrar que não é uma desajustada e que sabe se comportar em um ambiente formal. Nesta mesma linha, Helena chegou a dizer que também fará um "ajuste fiscal" e em diversos momentos tentava mostrar que dominava dados numéricos e conhecia aos assuntos sobre os quais falava. Os melhores momentos da senadora no vídeo, porém, acontecem quando ela abandona o comedimento e se torna ela mesma: na questão da reforma agrária, por exemplo, passou muita segurança ao dizer que não haverá invasões de terra pelo simples fato de que fará a reforma agrária. Não é tão simples assim, mas Heloísa foi convincente. Tudo somado, Heloísa foi realmente bem no encontro e provavelmente vai continuar medindo com cuidado a dose de crítica e radicalismo com uma imagem mais suave, em que enfatiza o papel de mãe e a condição de mulher. Se vai colar ou não, são outros quinhentos, mas parece ser esta a estratégia da candidata.

Cristovam virou nanico

Sobre os demais candidatos, há pouco a dizer de relevante: Cristovam Buarque (PDT) se igualou a Luciano Bivar (PSL) na falta de carisma e na dificuldade em ser levado a sério pelo público – na quarta ou quinta vez em que se voltou para o assunto da Educação, sua prioridade única e absoluta, o público riu. Depois, um deputado do PSOl comentou: "tem gente que só pensa naquilo. O Cristovam só pensa nisso..." De fato, a insistência do candidato trabalhista chega a ser irritante e praticamente o coloca, perante ao eleitor, como um personagem folclórico ("aquele da Educação").

Da mesma maneira, Bivar martela a cantilena do imposto único e do "Estado servidor", mas seu amadorismo fica patente em lances como o de economizar um minuto do tempo logo na primeira resposta do programa. Já o gaúcho José Maria Eymael (PSDC) foi um pouco superior aos demais, com sua boa oratória, adquirida de outras candidaturas derrotadas. É, pode-se dizer assim, um nanico mais experiente. Todos os três tinham um objetivo claro: aperecer para o grande público como candidatos ao Palácio do Planalto. Não se pode dizer que não conseguiram. Já fazem parte do folclore político e poderão contar aos netos que um dia disputaram a presidência do Brasil.

2 comentários:

  1. Excelente avaliação sobre o debate!
    Cristovam Buarque estava com toda a pecha de nanico e Heloísa procurando reverter a fama de destemperada, em alguns momentos algum lampejo de eloqüência surgia, mas ela - pareceu-me - percebia e se retraia. Em relação a Lula, concordo. Ele seria vidraça. Mas, não seria ético do ponto de vista de um candidato comparecer a um debate, atividade essencial para o exercício da democracia. Lembre-se que em outras vezes, ele criticou duramente a ausência de adversários. E enfim, Alckmim. E não era para estar tenso?!

    ResponderExcluir
  2. Faz tempo que o Lula sumiu!

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.