segunda-feira, 9 de março de 2009

Ainda sobre Protógenes e a Veja

O que vai abaixo é o artigo do autor destas Entrelinhas para o Observatório da Imprensa. Em primeira mão para os leitores do blog.

VEJA vs. PROTÓGENES
O pen drive do delegado e o jornalismo de vazamentos

Observar a revista Veja é paradoxalmente fácil e difícil a um só tempo. Fácil, porque a principal publicação semanal do país há muito se transformou em um panfleto ideológico, deixando em segundo plano o jornalismo propriamente dito. Difícil, porque muitas vezes é complicado perceber qual a exata motivação da revista em certas matérias. Pode ser uma coisa, mas também pode ser outra, e não adianta procurar a resposta nas entrelinhas ou nos recados passados ao logo do texto, a resposta só poderá ser encontrada mesmo na redação, no prédio da Editora Abril.
A reportagem publicada nesta semana (edição 2103, 11/03/09), intitulada “Sem limites”, sobre as atividades do delegado Protógenes Queiroz é um excelente exemplo da facilidade e dificuldade para analisar o que é produzido por Veja. Em linhas gerais, a revista acusa o delegado responsável pela Operação Satiagraha da Polícia Federal (e pela prisão do ex-banqueiro Daniel Dantas) de ter montado uma “máquina ilegal de espionagem” por meio da qual teria bisbilhotado a vida de autoridades, supostamente em nome do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Para fazer a acusação, a reportagem de Veja, assinada por Expedito Filho, Alexandre Oltramari e Diego Escosteguy, “teve acesso” ao conteúdo de um computador apreendido por policiais na casa do delegado Protógenes, no Rio de Janeiro – ele está sendo investigado pela PF por supostos abusos cometidos durante a Operação Satiagraha. Segundo a revista, seriam “63 fotografias, 932 arquivos de áudio, 26 arquivos de vídeo e 439 documentos em texto”, material que estaria armazenado “em um computador portátil e em um pen drive”.

A primeira pergunta que não quer calar é justamente como Veja “teve acesso” aos documentos. Parece óbvio que se trata de mais um caso clássico de vazamento, e já por aí a reportagem começa torta: qualquer que seja o vazador, é óbvio que existe um interesse político ou pessoal por trás da entrega do material à revista. Sim, Veja não está obrigada a revelar as suas fontes, mas desde logo o leitor precisa saber que não se trata de uma apuração dos jornalistas do semanário, de um furo de reportagem. O “material” chegou lá, prontinho para ser deglutido, digerido e transformado em chamada de capa.

Em casos assim, em geral convém lembrar a velha questão latina: cui prodest, a quem aproveita? É aí que reside a dificuldade para a análise. Basicamente, são três os beneficiários da “denúncia” da revista Veja: o ex-banqueiro Daniel Dantas, para quem a desmoralização de Protógenes é sempre um alento; o deputado federal Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), presidente de uma CPI dos Grampos que estava por terminar e pode ganhar fôlego, mantendo o parlamentar sob os holofotes da mídia; e os inimigos do delegado na Polícia Federal e no governo em geral. De alguma destas três partes deve ter vindo o vazamento das informações do inquérito sobre Protógenes – é certo como dois e dois são quatro que Dantas, Itagiba e a turma da pesada da Polícia Federal ou da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) teriam acesso aos documentos e também todas as condições de vazar o material para a Veja.

Ainda no final de semana, o delegado se manifestou desmentindo o que foi publicado na revista e na segunda-feira (9/03) escreveu em seu blog uma longa contestação, na qual diz ser criminosa a publicação de “documento sigiloso de uma investigação presidida pelo Delegado de Polícia Federal Amaro Vieira Ferreira IPL 2-4447/2008 - DELEFAZ/SR/DPF/SP”. Ele também afirma que em sua casa “não foi apreendido nenhum documento ou material, nem tampouco computador contendo dados da operação Satiagraha”. Segundo Protógenes, apenas “documentos pessoais (...) e materiais referentes à atividade de inteligência” foram apreendidos e todos teriam sido “coletados no estrito cumprimento da lei e da Constituição da República”.

É possível e até provável que o delegado Protógenes Queiroz tenha realmente cometido abusos durante a operação que levou Daniel Dantas pela primeira vez à prisão. Ele está sendo investigado exatamente por seu comportamento, para dizer o mínimo, pouco ortodoxo. Também é possível e bastante provável, por outro lado, que a revista tenha “esquentado” o material que recebeu de mão beijada para tentar provar uma tese, qual seja a de que a investigação comandada por Protógenes está prejudicada pelos vícios cometidos durante a operação. Mais ainda, Veja tenta mostrar que o delegado estava realizando diversas investigações paralelas e inclui José Dirceu, Mangabeira Unger, Fernando Henrique Cardoso, Dilma Rousseff e José Serra entre os investigados. Ou seja, que ele age ao arrepio da lei e é mais um “aloprado”, não petista, neste caso, porque é público e notório que o delegado é simpático ao PSOL de Heloísa Helena e Luciana Genro.

É preciso mesmo ter dois pés atrás ao ler a reportagem de Veja. Há trechos que soam até fantasiosos, como o relato sobre os “documentos apreendidos com a equipe do delegado e que estão protegidos por senhas de acesso, com codinomes como ‘Tucano’, ‘FHC’ e ‘Serra’”. Será que o pessoal tentou a senha “PSDB” para abrir os arquivos? Também não deixa de ser interessante que a revista tenha revelado o conteúdo de alguns documentos na reportagem, mas ao mesmo tempo tenha evitado disponibilizar na internet a íntegra do material “a que teve acesso”, até para que os leitores pudessem formar melhor juízo sobre as fontes que a revista utilizou para realizar a matéria.

São tantos os interesses em jogo em torno da Operação Satiagraha – por parte do governo, da oposição, de Dantas, da CPI dos Grampos, das várias alas da Polícia Federal e da Abin – que é difícil entender qual é a real motivação da reportagem publicada por Veja. Muito mais difícil, porém, é acreditar que a revista tenha realizado um trabalho jornalístico para levar a seus leitores a verdade dos fatos. Ou que tenha entrado de inocente útil em uma disputa política alheia a seus próprios interesses ou de seus aliados. O passado recente de Veja não autoriza nenhuma dessas leituras, muito menos as fontes utilizadas para a reportagem em questão.

2 comentários:

  1. Caro Luiz Antônio, você está coberto de razão quanto aos, vamos dizer assim, sinais trocados que a Veja dá neste tipo de matéria. O fato de envolver nomes do Governo, como agora o de Dilma Roussef, por exemplo, me leva a crer que o beneficiário seria DD, pois a crucificação de Protógenes pelas supostas irregularidades e excessos cometidos, só favorecem à sua defesa.
    Mas, de quebra, esta porcaria acaba servindo de matéria prima para o restante da mídia plantar seus conceitos nas mentes dos desavisados. E assim a roda continua girando.

    ResponderExcluir
  2. Correto e sensato o seu artigo. Não está na hora de colocar umas escutas no prédio da marginal pinheiros e espalhar para a imprensa séria?

    Cataclisma

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.