domingo, 1 de março de 2009

Ainda sobre a "ditabranda"

O comentário abaixo foi publicado no blog do jornalista Marcelo Coelho, que além de ser colunista integra o Conselho Editorial da Folha de S. Paulo. Coelho revela que a resposta malcriada publicada no jornal a duas cartas sobre a polêmica da "ditabranda" foi mesmo redigida pelo Diretor de Redação do jornal, Otavio Frias Filho, o que de certa forma era mesmo de se esperar, pois o editor do Painel do Leitor não teria autonomia para chamar os professores Fabio Konder Comparato e Maria Victoria Benevides de mentirosos e cínicos. Coelho reconhece que a carta foi um desastre para a imagem da Folha, mas contemporiza: só faltou dizer que Otavinho estava "num dia ruim".

O jornalista também defende a Folha da acusação de "guinada editorial à direita" e, no trecho mais interessante do comentário, nomina os colunistas de direita e de esquerda do jornal. O leitor deste blog pode ler e pensar sobre os nomes. Dos que Marcelo Coelho citou, este blogueiro acha que apenas Marcos Nobre pode ser considerado um "esquerdista". O jornal tem outro, não citado por Coelho, o cômico José Simão, este um anarquista libertário e simpático aos valores da esquerda. Quanto aos demais, considerar a tucaninha Eliane, o ranzina Rossi e o inefável Gabeira como gente de esquerda, aí realmente já é forçar um pouco mão. Claro que perto de um Mainardi, Azevedo, Pondé, essa gente toda passa por perigosos comunistas. De perto, porém, são colunistas conservadores, do establishment.
A seguir, o comentário de Coelho na íntegra, para os leitores do Entrelinhas.

"Ditabranda"

Acho que “ditabranda” é com certeza um termo infeliz. Não há ditadura branda na ótica de um prisioneiro torturado, como o foram muitos no Brasil.

O termo, empregado num editorial da “Folha”, não deveria ter sido utilizado. Será que eu, no posto de diretor de redação, teria vetado o termo no texto? Talvez sim. Mas poderia ter dado pouca importância à palavra, uma vez que se inscrevia numa linha concreta de raciocínio.

O texto completo do editorial se dedicava a condenar a perpetuidade no poder de Hugo Chávez. Comparava os processos pelos quais de uma aparente democracia se passa a uma ditadura, como na Venezuela, com processos pelos quais a conquista de poder por meio de golpe militar terminou resultando em regimes não tão concentradores de poder como seria de supor.

O jogo entre “ditabranda” e sua contrapartida oculta, a “democradura”, estava implícito no editorial: com tudo para ser uma ditadura militar absoluta, o regime de 64 manteve as aparências de um espaço para o PMDB. Com tudo para ser um normalíssimo sistema democrático, o regime de Chávez reduz a oposição a menos do que uma aparência, afirmando-se orgulhosamente como uma democracia, enquanto acelera o personalismo providencial de uma figura tosca.

Eis que surgem mil protestos contra o uso do termo “ditabranda” no editorial. Foi um erro, não nego. Mas não há verdade nenhuma quando se diz que o editorial pretendia fazer a revisão histórica do regime de 64.

Há pelo menos 30 anos, a “Folha” reprova o autoritarismo. Teve, se não me falha a memória, papel importante na luta contra o regime militar. Se quisesse reabilitar aquele período, teria feito isso explicitamente. Obviamente, não teria nenhum interesse em fazê-lo, e não teria nenhuma razão se o fizesse.

O que me parece errado nos protestos contra o uso de “ditabranda” pela “Folha” é que se tomou um erro do editorialista como se fosse sinal de coisa que não existe.

Não existe vontade nem interesse da “Folha” em reabilitar a ditadura. Existe, por outro lado, muito interesse de parte dos críticos em defender Hugo Chávez.

Mais do que isso, os protestos contra a “ditabranda” expressam uma queixa mais antiga da esquerda: “A Folha ficou de direita!” A mera presença de César Maia entre os articulistas já pareceu, a parcela dos leitores, sinal de que a “Folha” cultiva cada vez mais os Coutinhos e Pondés. O grito de protesto da esquerda estava engasgado há tempos, e o apoio que obtive ao criticá-los, há algumas semanas, foi sinal disso.

Acontece que, se fizermos a conta, João Pereira Coutinho e Luiz Felipe Pondé estão cercados de Clóvis Rossi, Fernando Barros e Silva, Eliane Cantanhede, Ruy Castro, Carlos Heitor Cony, Marcos Nobre, Fernando Gabeira, Janio de Freitas e este que vos fala, grupo insuspeito de afinidades com a direita. Há Oderbrecht e Delfim, além de Sarney, pesando no outro lado da balança. Será que desequilibrou em favor da direita? Culpa em parte minha, então. Trato de me regenerar nos próximos artigos.

Veio então a carta de Fábio Konder Comparato, dedo em riste contra a pessoa do diretor de Redação, Otavio Frias Filho, chamando-o ao pelourinho em praça pública. O diretor de Redação reagiu chamando de cínica essa conclamação prosecutória. Konder Comparato excedeu-se, num gênero jacobino que contrasta com toda a retórica democrática em torno da liberdade de expressão. Tratava-se de defender Chávez, mais do que acreditar na tese de que a “Folha” teria passado a apoiar a ditadura. A resposta de Otavio a Comparato quis denunciar essa hipocrisia, essa indignação postiça, chamando-a de cínica.

O resultado, para a “Folha”, foi ruim em termos de imagem e de relações públicas. É óbvio que a “Folha” não passou a gostar das ditaduras ou das ditabrandas. É óbvio que não quer romper com a esquerda. A esquerda, entretanto, há tempos quer romper com a Folha, por bons ou maus motivos. Não sei o que ganha com isso. Sei o que quer preservar nessa atitude: sua adesão a Chávez, a Fidel Castro, ao MST.

Não sei qual ditadura, dentre as três, prefiro: com certeza, eis regimes diante dos quais haverá alternativas bem mais “brandas”. Não que 1964 esteja entre elas. Mas gostaria de saber por que razão, entre a Folha e a esquerda, existem tantos atritos em torno do termo “ditadura”. Será que não estamos de acordo quanto ao que significa “democracia”?

Um comentário:

  1. Na Itália ha um termo ótimo para definir um artigo como este, chama-se de "PARACULISMO"... (parare il culo, proteger a bunda, mais ou menos)Alguém que não toma partido claramente, mas quer que acreditemos que o está tomando...que não quer encrenca com o patrão (puxa o saco quase às escondidas) mas não quer ter inimigos entre os colegas (mas, se puder, pula a fila). O Coelho é um "paraculo", de primeira.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.