quarta-feira, 18 de março de 2009

Uma notícia, duas manchetes

Mais uma da série que prova a má-vontade da Folha com tudo que é boa notícia no campo da economia:

No portal UOL, do Grupo Folha:
Economia
Emprego cresce, mas é 95,5% menor que em 2008
A economia brasileira gerou 9.179 empregos com carteira assinada em fevereiro, depois de três meses seguidos de fechamento de vagas. Apesar da alta, a criação de postos em fevereiro foi 95,5% inferior ao resultado obtido em igual mês de 2008, quando foram abertas 204.963 vagas -maior número para o mês desde 1992

No portal da revista Veja, que de governista não tem nada:
Boa notícia
O Brasil volta a abrir postos de trabalho com carteira assinada
Depois de três meses consecutivos com fechamento de vagas, país registrou abertura de 9.179 postos de trabalho formais no mês passado, informa ministério.


Uma observação óbvia: se o emprego fosse maior do que em 2008, não haveria crise alguma no país. A notícia relevante é que apesar da crise, o saldo de empregos formais voltou a ficar positivo no Brasil, coisa que até a Veja entendeu...

2 comentários:

  1. Luiz, olha só o absurdo... Por que o Estadão não muda a forma de abordar a notícia também quando se refere ao Brasil? Veja (aliás, é impossível não clicar nesse link ao vê-lo, já que você pensa: nossa, tem país crescendo, é? Se for assim, o Brasil cresceu 1,3% e ninguém falou nada...):

    PIB do Chile cresceu 0,2% no último trimestre de 2008
    MARCÍLIO SOUZA - Agencia Estado
    SANTIAGO - O Produto Interno Bruto (PIB) do Chile cresceu 0,2% no quarto trimestre de 2008 na comparação com igual período do ano anterior, e 3,2% em todo o ano passado ante 2007, informou hoje o banco central do país. Em base de dados sazonalmente ajustada, o PIB do Chile cresceu 2,9% em 2008 em comparação com 2007.
    "A economia cresceu no último trimestre, mas a um ritmo mais lento, que não deixa ninguém indiferente. Todos nós sabemos os motivos: o último trimestre registrou uma piora das condições financeiras domésticas e internacionais, fazendo com que a maior parte das economias do mundo desacelerassem", disse o ministro de Finanças do país, Andres Velasco.
    Durante os três primeiros trimestres do ano, o PIB chileno cresceu 3,4%, 4,6% e 4,6%, na comparação com iguais períodos do ano anterior, respectivamente. Esses números resultam de revisões dos dados que haviam sido originalmente anunciados.
    O setor de comunicações expandiu-se 10,4% em 2008, e o de construção, 9,7%. O de mineração, no entanto, encolheu 5%. A demanda doméstica cedeu 0,2% no quarto trimestre, mas aumentou 7,4% em 2008. As exportações de bens e serviços cresceram 3,1% no trimestre e também no ano, enquanto as importações expandiram 1,8% e 12,9%, respectivamente.
    A conta corrente, enquanto isso, fechou o ano com um déficit de US$ 3,44 bilhões, ou cerca de 2% do PIB. As informações são da Dow Jones.


    www.estadao.com.br/noticias/economia,pib-do-chile-cresceu-02-no-ultimo-trimestre-de-2008,340905,0.htm

    ResponderExcluir
  2. Veja só a tentativa do jornal O Globo de ligar à ministra Dilma à figura de José Dirceu. Está no blog de Ricardo Noblat:

    Nove ministros festejam aniversário de Dirceu

    O aniversário de José Dirceu, na noite de terça-feira, num salão de festas do Lago Norte, em Brasília, teve presença em peso de ministros do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, inclusive a chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff que, alegando cansaço, deixou a festa mais cedo.

    A cúpula petista aproveitou a ocasião para dar uma demonstração de unidade e força política do partido para as eleições de 2010. Além de nove ministros, o vice-presidente da República, José Alencar, e líderes do PT e de partidos aliados, também prestigiaram o ex-poderoso ministro de Lula.

    Isso, um dia após a cúpula tucana ter realizado um jantar em Recife para afinar o discurso dos principais caciques do PSDB. É o que mostra reportagem de Gerson Camarotti na edição desta quinta no Globo. Leia mais em: NOVE MINISTROS, INCLUSIVE DILMA, FESTEJAM ANIVERSÁRIO DE DIRCEU

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.