segunda-feira, 30 de março de 2009

Jorge Rodini: eleitores sem Vales

Abaixo, a análise do diretor do instituto Engrácia Garcia sobre a pesquisa CNT/Sensus divulgada hoje e que mostrou queda na popularidade do presidente Lula. No próximo post seguirá a opinião do autor do blog sobre o mesmo assunto.

Mais uma pesquisa CNT/Sensus na praça. Com ela, uma queda na aprovação do presidente Lula. Natural, previsível e decorrente da grave crise mundial por que passamos, este debacle não pode ser desprezado.

Parcela da população brasileira (especialmentes os mais jovens) sente a ameaça da perda do emprego e a falta de perspectiva na procura dele. As afirmações equivicadas sucessivas de Lula começam a causar incômodo. O que era engraçado, divertido e natural tornou-se debochado e treinado.

As palavras podem não ser mais de Lula e, assim sendo, não há porque seu eleitor levá-las a sério. Há percepção de frases conduzidas pela ótica do marketing, muitas vezes um mau marketing ou um marketing do mal.

Lula continua firme junto ao seu eleitorado Bolsa-Família, Luz para Todos e alguns outros Vales. Sinal de que terá de continuar dispendendo altas somas na manutenção desses programas.

Futuro, o Brasil tem. Passado, nem se fala. O presente é que é urgente. E as cobranças desta fatura estão começando a chegar. Pelos eleitores sem Vales.

Abaixo, reportagem da Folha Online sobre a pesquisa CNT/Sensus:

Dilma supera Aécio na disputa pela sucessão presidencial; Lula e Serra lideram

GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

Pesquisa CNT/Sensus divulgada nesta segunda-feira mostra o crescimento da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) na corrida pela sucessão presidencial. Pela primeira vez desde que ela foi apontada como pré-candidata, o nome de Dilma aparece na frente do governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), na pesquisa espontânea --em que os nomes dos candidatos não são apresentados aos eleitores.

Dilma aparece em terceiro lugar com 3,6% das intenções de voto na pesquisa espontânea, seguida por Aécio, que somou 2,9% dos votos. Apesar do crescimento de Dilma, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), mantém a liderança na corrida pelo Palácio do Planalto --perdendo apenas na pesquisa espontânea para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que não pode disputar o terceiro mandato.

Lula aparece em primeiro lugar na espontânea, com o apoio de 16% dos entrevistados. Em segundo lugar aparece o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), com 8,8% das intenções de voto. O deputado Ciro Gomes (PSB-CE) aparece em quinto lugar na pesquisa espontânea, com 1,5% das intenções de votos, seguido pela ex-senadora Heloísa Helena (PSOL), que teve o apoio de 1,4% dos eleitores. Os demais candidatos somam 1,7% dos votos, além de 7% dos eleitores que votariam em branco ou nulo.

Na disputa direta entre Dilma, Serra e Heloísa Helena, o governador de São Paulo venceria a disputa com 45,7% dos votos. O índice cresceu três pontos percentuais em relação à pesquisa divulgada em janeiro, quando Serra somou 42,8% dos votos. Dilma recebeu 16,3% das intenções de voto, contra 13,5% registrados pela petista em janeiro. Heloísa Helena, por sua vez, recebeu 11% das intenções de voto contra 11,2% em janeiro.

Já na disputa entre Dilma, Aécio e Heloísa Helena, há empate técnico entre a ministra e o governador de Minas. Aécio somou 22% das intenções de voto em março contra 19,9% recebidos pela ministra. Heloísa Helena aparece em terceiro lugar com 17,4% das intenções de voto. Em janeiro, Aécio apareceu mais à frente de Dilma com 23,3% dos votos, contra 16,4% da petista.

"A gente vai notando que a Dilma vai ganhando espaço sobre o Aécio. A pesquisa mostra que a população está com maior percepção das eleições do que em pesquisas anteriores", disse o diretor do instituto Sensus, Ricardo Guedes.

Quando Dilma é substituída por Ciro Gomes na disputa com Serra e Heloísa Helena, o governador de SP ganha com 43,1% das intenções de voto. Ciro recebeu em março 14,9%, contra 12,8% de Heloísa Helena.

Já na substituição de Serra por Aécio, o tucano registra empate técnico com Ciro. O governador de Minas recebeu 21,2% dos votos, contra 19,2% do deputado. Heloísa Helena também aparece tecnicamente empatada com os dois candidatos, com 19% dos votos.

Segundo turno

Nas simulações de disputas em segundo turno, Serra sai vencedor em todos os cenários, mas quando é substituído por Aécio, o governador de Minas registra empate técnico com a ministra Dilma.

Na disputa direta entre Serra e Dilma, o tucano recebeu em março deste ano 53,5% dos votos, contra 21,3% para Dilma. Em janeiro, Serra recebeu 50,8% contra 16,6% de Dilma.

Na disputa Dilma x Aécio, há empate técnico, com 29,1% dos votos para a petista e 28,3% para o governador de Minas.

Em janeiro, a vantagem de Aécio sobre Dilma era maior, quando o governador conquistou 30,4% das intenções de voto, contra 23,9% para Dilma.

No cenário de disputa em segundo turno entre Serra e Ciro, o tucano venceria a disputa com 49,9% dos votos, contra 20,3% recebidos pelo deputado.

Já na disputa entre Aécio e Ciro, o deputado venceria a disputa com 31,2% dos votos, contra 26,8% do governador de Minas.

A pesquisa CNT/Sensus foi realizada entre os dias 23 e 27 de março, em 136 municípios de 24 Estados. Foram ouvidas 2.000 pessoas, e a margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou menos.

Um comentário:

  1. É verdade que algumas frases do Lula não foram bem colocadas (mas experimenta ter mais de 80% de aprovação. Deve ser difícil manter os pés no chão o tempo todo). Mas o presidente não pode sair por aí dizendo que é terra arrasada, por que assim a vaca que está paradinha e longe do brejo, corre para lá.
    O que irá fazer o Brasil sentir menos a crise que outros países não são as medidas tomadas agora e sim as medidas tomadas durante o governo. Uma dessas medidas é o firme investimento social do governo Lula (o Bolsa Família) ou o "vale" como quis você.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.