quarta-feira, 20 de maio de 2009

Dilma, a peruca e a política

A discussão da hora nos blogs direitosos é sobre a utilização, por Dilma Rousseff e seus aliados, da doença que a acometeu como "marketing político". Reinaldo Azevedo, por exemplo, não se cansa de escrever sobre o assunto. O exemplo do blogueiro da Veja é interessante porque ele diz que a imprensa entrou no jogo da ministra e passou a tratar com uma certa reverência a pré-candidata petista à presidência da República, evitando mostrar o tal uso político que ela estaria fazendo do câncer. A argumentação de Reinaldo é espantosa. Talvez ele não perceba, mas no fundo o que ele escreve é de um autoritarismo que beira as raias do absurdo. Reinaldão quer não apenas que a mídia fale do câncer da ministra como que acuse Dilma de fazer uso político da doença. E para provar a sua tese mequetrefe, apresenta, fora de contexto, frases de petistas do alto escalão em que supostamente ficaria clara a jogada de vitimizar Dilma e ganhar assim apreço da opinião pública.

Ora, qualquer pessoa sensata sabe que as coisas são mais complicadas do que isto. É difícil imaginar algo mais complicado do que apostar em uma doença para ganhar uma eleição. Quanto mais publicidade se dá ao câncer da ministra, mais intraquilo fica o eleitor. É natural e óbvio que seja assim. A ideia de Reinaldo de que tudo não passa de jogada política é exagerada e insensível. Ele mesmo, no fundo, talvez saiba disto. Mas também está fazendo a sua jogada política, qual seja a de pressionar a mídia a mostrar que Dilma usa a doença para fazer campanha - fato este que seria considerado feio e imoral pelo povão. Felizmente, porém, tem gente com cabeça no lugar nas redações para não cair na armadilha preparada pelo direitoso blogueiro.

Porque, na verdade, não é bem disto que se trata. Dilma não vai parar de fazer política durante o tratamento, o que é ótimo; a imprensa está cobrindo o assunto com o estardalhaço que ele provoca - a imagem da ministra de peruca não é uma miragem, é realidade -; e não deu, até agora, para perceber nenhum tipo de condescendência por parte da imprensa. Se o doente fosse José Serra e não Dilma Rousseff, Azevedo estaria espumando contra qualquer analista que dissesse que o governador faz uso político da sua doença... É preciso ler os blogs de ultradireita pelo que eles são: peças de propaganda ideológica a serviço da tentativa de apear Lula e o PT do governo federal. Nada mais do que isto.

4 comentários:

  1. Cara, me explica uma coisa:

    Porque você lê Reinaldo Azevedo?

    Eu nunca li. Não tenho interesse. De tudo que já vi falando sobre ele, é um maluco sem credibilidade alguma.

    "É preciso ler os blogs de ultradireita pelo que eles são". É preciso mesmo?

    Acho que vc tá se martirizando a toa.

    ResponderExcluir
  2. Se vale como informação, o comportamento da ministra hoje foi elogiado de forma contundente no Jornal das 10 da Globonews pelo C.A. Sardenberg; e a Cristina Lobo concordou.

    Ela não faz uso político nenhum, mas não pode se esconder dos jornalistas que a cercam, nem negar que está doente. Suas declarações, são sempre puramente objetivas sobre o tratamento, medicação etc.

    Não tem sentimentalismo, nem demagogia.

    ResponderExcluir
  3. Pedro P. Tardelli21 de maio de 2009 19:40

    O comentário do "quantotempodura" aí de cima talvez não seja dos mais pertinentes: eu, médico aqui no interior do PR, interessado em me inteirar do que ocorre no BR e no mundo, recorro aos blogues que me colocam a notícia de modo mais isento e justo e me dou ao direito de evitar os reinaldos azevedos da vida. Visito diariamente esse espaço, o Blog do Nassif e o Observatório da Imprensa, dentre outros. Mas o titular deste blogue, pela sua profissão, tem que colocar a mão no nariz e encarar os podres espaços da direitona. Fazer o quê?

    ResponderExcluir
  4. Olha, é jogo duro. Eu também não tenho saco. Que mal lhe pergunte: algum desses direitosos já acusou a Dilma de provocar a doença em si mesma, só pra ludibriar os eleitores?

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.