sexta-feira, 15 de maio de 2009

Torres Freire: A oposição está se lixando

Vale a pena ler o artigo abaixo, publicado na Folha de S. Paulo nesta sexta-feira. Vinicius é, ao lado de Carlos Heitor Cony e José Simão, um dos mais lúcidos colunistas do jornal. O texto está na íntegra, para os leitores do Entrelinhas.

A oposição está se lixando

Na poupança, oposição faz picuinha, mas apoia lambança do governo e não investiga bancos ou negócios públicos

AQUELE DEPUTADO federal ferrabrás e agreste que disse estar "se lixando para a opinião pública", um dos "autênticos" do PTB, tornou-se uma entidade (ele disse se "lixar" ao justificar sua intenção de absolver o deputado "dono do castelo"). Títulos de notícias referem-se ao parlamentar petebista como o "deputado que se lixa".

Trata-se de um homem que saiu da sua vida obscura para entrar na história como uma oração adjetiva deplorável. Além de indizível, tornou-se inominável. Mas, além da gramática: um "parlamentar que se lixa" é um adjetivo ou um substantivo? Pois parece que "se lixar" é da essência do parlamentar brasileiro.

O líder do governo no Senado, o já bastante notório Romero Jucá, do PMDB "autêntico" de Roraima, por exemplo, quer usar um projeto de emenda à Constituição como instrumento de "vendetta" de sua parentela. O governo, num acesso esquisito de seriedade, fez uma limpa na boquinha de cargos da Infraero, demitindo vários parentes de parlamentares da direção da empresa, entre eles o irmão de Jucá. Como vingança, o senador Jucá quer emendar a Constituição a fim de reservar o cargo de ministro da Defesa para militares. O ministro da Defesa, Nelson Jobim, cuida da Infraero. Jobim não é militar. Jucá, por sua vez e portanto, é um "senador que se lixa" para a opinião pública.

Seria apenas outro caso anedótico? Bem, o PMDB quase todo está em "pé de guerra" e se pintou de lama para lutar pela boquinha, chantageando o governo, seu aliado -eles se merecem. Seria apenas o PMDB, em plena demonstração de autenticidade? Considerem a atitude do "alto clero" da oposição (DEM, PSDB e PPS) no caso da poupança.

É tão fácil bater no governo. Motivo sério não falta. Inclusive no caso da poupança. Mas os líderes da oposição se aferraram à picuinha mais populista, terrorista e mentirosa para atacar a tributação das cadernetas ("confisco" etc.). Reclamam ainda que o governo não "mexeu com os bancos" (só com os "poupadores"). Ótimo: ficaram então com a oportunidade de criar uma CPI das taxas bancárias. Esses líderes e partidos tão financiados pela banca (assim como os do governo) vão investigar, digamos, a existência de um oligopólio maléfico nas finanças?

Essa gente "se lixa". A oposição critica a gastança do governo e aprova aumentos de gastos propostos por Lula; aprovou a enésima anistia para sonegadores de impostos. Mas reclama que Lula não quer ver dinheiro saindo de fundos (que financiam a dívida pública) porque o governo gasta demais. Reclama (agora) dos juros altos, mas quer manter juros tabelados (o da poupança).

Para falar de coisa mais séria, essa gente nunca se deu ao trabalho de reformar a caquética lei financeira, de quase meio século de idade. Essa gente não discute a rolagem da dívida pública e seus instrumentos, também caquéticos, da era da inflação. Fundos públicos são utilizados à larga em fusões de megaempresas, via BNDES, mas o Congresso não dá um pio sobre tais negócios. Aliás, nem se move para rediscutir os fundos oriundos de poupança forçada (FGTS, FAT), que datam alguns da ditadura e que rendem pouco para o trabalhador. Não se mexem, apenas se lixam para a opinião pública.

2 comentários:

  1. Paulo Maurício Machado15 de maio de 2009 17:06

    E por falar nisso...

    IRMÃ DO DEPUTADO DO CASTELO GANHA MAIS QUE O PRESIDENTE LULA

    A população de São João Nepomuceno, na Zona da Mata mineira, entrou em estado de choque ao tomar conhecimento que a irmã do deputado federal Edmar Moreira - conhecido nacionalmente como o "deputado do castelo" -, e atual prefeita da cidade, Edméia Moreira (PSDB-MG), recebe salário mais alto que os proventos pagos ao governador Aécio Neves (R$ 10,5 mil) e ao presidente Lula (R$ 11,4 mil).

    Além do salário de R$ 13 mil mensais, Edméia engorda os rendimentos da família com mais R$ 4,1 mil pagos ao marido, Joaquim Augusto Pereira Machado - que acumula os cargos de chefe de gabinete e secretário de Agricultura e Meio Ambiente -, mesmo salário do filho do casal, João Daniel, titular da pasta da Administração. Com isso, a família goza da remuneração mensal superior a R$ 21 mil reais provenientes dos cofres públicos.

    A divulgação de tais valores causou alvoroço na cidadezinha de 20 e poucos mil habitantes que enfrenta um penoso processo de esvaziamento econômico desde meados da década passada. Como os mineiros são propensos a comparações jocosas, em SJN se diz que cada habitante desembolsa 1 real por mês para pagar os salários da família da prefeita. Usando a mesma lógica, alegam que o presidente Lula deveria ganhar, então, quase R$ 200 milhões mensais.

    A indignação aumentou para valer depois que a prefeita apresentou proposta de reajuste de apenas 2% ao funcionalismo municipal, sob a alegação de que não dispõe de recursos suficientes para honrar as folhas de pagamentos dos servidores mais humildes. O assunto já está repercutindo, com direito a foto da prefeita: http://www.uai.com.br/UAI/html/sessao_3/2009/05/15/em_noticia_interna,id_sessao=3&id_noticia=110535/em_noticia_interna.shtml

    ResponderExcluir
  2. Acorda amigo, todos já sabem que este deputado está sendo perseguido porque acusou a GLOBO, da tribuna, de praticar trabalho infantil.

    Isso foi bem antes deste episódio.

    kkk, como se isso fosse alguma coisa.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.