Pular para o conteúdo principal

Choque de gestão dos tucanos:
palavrão para crianças de 9 anos

A matéria abaixo, publicada hoje na Folha de S. Paulo, revela mais uma lambança cometida no âmbito da secretaria estadual de Educação de São Paulo. Nesta terça-feira, o governador José Serra (PSDB) esteve no principal telejornal vespertino da TV Globo para tentar explicar o episódio. É evidente que a culpa não é pessoalmente do governador ou do secretário Paulo Renato de Souza, mas causa grande espanto uma administração que se orgulha da boa capacidade de gestão permitir a ocorrência de tamanha esculhambação. O pior é que não é a primeira vez. Poucos meses atrás, circulou a história dos livros didáticos com "dois Paraguais" (e nenhum Uruguai). O erro foi corrigido, mas não se sabe quanto custou aos cofres públicos. E o mais interessante é a postura dos tucanos: nunca há "erro" ou assunção de culpa, as bobagens cometidas são sempre pequenas "falhas", conforme disse Serra à Folha. Em outras palavras, quando a coisa vem do PT, é uma grande ca..., quando vem dos tucanos, apenas sujaram a louça. Abaixo, a matéria da Folha sobre mais um absurdo patrocinado pelo governo paulista.

SP distribui a escolas livro com palavrões

Com termos impróprios e conotação sexual, obra seria utilizada por estudantes da rede estadual na faixa de nove anos

Governo de SP disse que houve falha na escolha do livro para o programa Ler e Escrever e que determinou o recolhimento das obras

FÁBIO TAKAHASHI
DA REPORTAGEM LOCAL

A Secretaria Estadual da Educação de São Paulo distribuiu a escolas um livro com conteúdo sexual e palavrões, para ser usado como material de apoio por alunos da terceira série do ensino fundamental (faixa etária de nove anos).
A gestão José Serra (PSDB) afirmou ontem que houve "falha" na escolha, pois o material é "inadequado para alunos desta idade", e que já determinou o recolhimento da obra.

O livro ("Dez na Área, Um na Banheira e Ninguém no Gol") é recheado com expressões como "chupa rola", "cu" e "chupava ela todinha". São 11 histórias em quadrinhos, feitas por diferentes artistas, que abordam temas relacionados a futebol -algumas usam também conotação sexual. A editora Via Lettera afirma que a obra é voltada a adultos e adolescentes.

A pasta distribuiu 1.216 exemplares, que seriam usados como material de apoio para a alfabetização dos estudantes, dentro do programa Ler e Escrever (uma das bandeiras do governo na educação).
Nesse programa, os estudantes podem usar o material na biblioteca, na aula ou levar para casa. O livro começou a ser entregue na semana passada.

É o segundo caso neste ano de problemas no material enviado às escolas. A Folha revelou em março que alunos da sexta série receberam livro em que o Paraguai aparecia duas vezes no mapa.

"Os erros revelam um descuido do governo na preparação e escolha dos materiais", afirmou a coordenadora do curso de pedagogia da Unicamp, Angela Soligo.

"Há um constante ataque do governo contra os professores e a formação deles. Mas o governo coloca à disposição dos docentes ferramentas frágeis de trabalho", disse Soligo.

Posição oficial
A reportagem solicitou entrevista com o secretário da Educação, Paulo Renato Souza. A pasta, porém, só divulgou uma nota, que não esclarece como é feita a escolha dos livros.

Sobre a responsabilidade pelo erro, disse apenas que abriu uma sindicância.

O governo afirma que "este livro é apenas um dos 818 títulos" comprados e que os 1.216 exemplares da obra representam "0,067% do 1,79 milhão de livros colocados à disposição das crianças". Diz ainda que faz um grande esforço para estimular o hábito da leitura.

O gerente de marketing da editora Via Lettera (responsável pelo livro), Roberto Gobatto, afirmou que apenas atendeu ao pedido de compra (no valor de cerca de R$ 35 mil) feito em novembro, na gestão de Maria Helena Guimarães de Castro na pasta da Educação.

"Não sabíamos para qual faixa etária seria destinada. Se soubéssemos, avisaríamos a secretaria", disse Gobatto.
Na história mais criticada por professores que tiveram contato com a obra, o cartunista Caco Galhardo faz uma caricatura de um programa de mesa-redonda de futebol na TV.

Enquanto o comentarista faz perguntas sobre sexo, jogadores e treinadores respondem com clichês de programas esportivos, como "o atleta tem de se adaptar a qualquer posição".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se non è vero, è bene trovato...

O ditado italiano cai perfeitamente para a nota reproduzida abaixo, da lavra da repórter Renata Lo Prete, editora do Painel da Folha de S. Paulo. Palocci está, digamos assim, um pouco verde para a disputa do governo paulista.

O único reparo que pode ser feito ao raciocínio apresentado pela jornalista está na última linha: o ex-ministro da Fazenda não tem sotaque para a disputa da prefeitura da capital.

Ok, já foram eleitos para este mesmo cargo uma nordestina (sotaque fortíssimo), um carioca (e preto, por sinal, que disfarçava bem oss essesss sibilantesss), um libanês (outro com um jeito de falar todo peculiar) e até um fanho (solteiro e sem filhos, como alertou sua rival na eleição). Tudo isto é verdade, mas qualquer marqueteiro vai perceber que a cidade não elegeria jamais um candidato que diz "porrrteira", "jarrrdim" ou "arrrtista". Não, nem o Palocci nem o Zé Dirrceu teriam chances na capital. Alguém da Mooca aconselharia, muito sabiamente: "termin…

O que muda com Bolsonaro fora do PSL?

Matéria da Folha publicada nesta tarde informa que o presidente Jair Bolsonaro busca saída jurídica para deixar PSL e evitar cassação de deputados. Segundo a Folha, o recado foi dado por ele a deputados e advogados em reunião na tarde desta quarta-feira no Palácio do Planalto.
"O anúncio de mudança de partido, contudo, não deve ser feito imediatamente. A equipe jurídica que assessora o presidente trabalha agora na construção de uma saída para evitar que os deputados aliados que queiram migrar de legenda com Bolsonaro percam seus mandatos por infidelidade partidária", informa a Folha.
"Por enquanto, eu continuo. Não tem crise. Briga de marido e mulher, de vez em quando acontece. Tudo bem. O problema não é meu, o pessoal quer um partido diferente, atuante. Este partido está estagnado. Não tem crise, não tem o que alimentar. Não tem confusão nenhuma", disse em rápida entrevista aos jornalistas.
A motivação de Bolsonaro parece clara - se desvincilhar de um partido que …

Uma pausa para uma tragédia

Perder um filho é uma tragédia. Não consigo imaginar nada pior, não sei se suportaria, acho que não.
Hoje, agora pouco, morreu Thiago Nery, colega de classe do meu filho João, aluno do Santa Cruz. Uma morte idiota, a marquise caiu sobre ele e outro colega, que está bem, no HC, sendo operado agora. Minha filha e meu filho estão no teatro do Santa com todos os colegas, professores, alguns pais e o Diretor Geral da escola.
Me junto a eles aqui de casa depois de fazer meu filho pequeno dormir, em oração. Não sou religioso embora tenha formação católica, mas peço a todos os santos, orixás, toda a força que há na Terra e além, para que confortem a família e os colegas.
Ele, ou Eles, estão no comando, a vida é frágil e temos que cuidar uns dos outros.

Link para matéria sobre o caso: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/11/marquise-desaba-nos-jardins-em-sp-e-deixa-um-morto-e-um-ferido.shtml