quinta-feira, 9 de abril de 2009

Pequeno recesso

O Entrelinhas entra em recesso entre a tarde desta quinta-feira e sábado. No domingo de Páscoa o blog retorna comentando os assuntos quentes do final de semana, que promete. Afinal, tem Corinthians e São Paulo no Pacaembu, com Gornaldo e companhia desafiando o esquadrão tricolor, que provavelmente já estará classificado para a próxima fase da Libertadores. Fora, é claro, os assuntos de política e mídia, foco do blog. Até domingo, portanto.

3 comentários:

  1. Olá meu amigo,
    Tomei conhecimento do seu blog após uma palestra de Ivan Seixas, ex-guerrilheiro ( ou terrorista) que foi duramente, desculpe, rigorosamente sabatinado pela ditadura, err... 0desculpe, ditabranda, nos anos 70. Apesar de você ser sãopaulino ( é assim que se escreve?) adorei o conteúdo.
    abraços corintianos
    walter

    ResponderExcluir
  2. Folha de São Paulo

    É a crise, estúpido!

    De Eliane Cantanhêde:

    Lula tenta fazer do limão uma limonada. O "limão", azedo que só, é a crise que corrói a confiança e os empregos. E a "limonada" é a lista de medidas que ele estava doidinho para tomar, mas que seriam fatalmente recriminadas em tempos normais. Se continuam politicamente incorretas, passaram a ser economicamente justificáveis. Apesar do risco de desequilíbrio entre arrecadação e gastos.

    Um bom exemplo, ainda carente de anúncio oficial, é afrouxar na prática a meta para 2010 do superávit primário (a parte da arrecadação tributária usada para abater a dívida pública). Assim: muda-se a metodologia para excluir a Petrobras do cálculo e poder torrar, a título de despesa e investimento, o equivalente em 2010 aos R$ 14,9 bi da meta da empresa em 2009. Em bom português, Lula quer poder gastar mais justamente no ano da eleição, e disse a oito ministros que vai andar ainda mais pelo país com a Dilma para mostrar o PAC, ou com o PAC para mostrar a Dilma.

    O pretexto é que a crise exige investimentos em infraestrutura e geração de empregos. A realidade é que a candidatura Dilma também. Inclui-se na mesma lógica a desoneração da folha de pagamento, em estudo para que as empresas tenham menos impostos e mais empregos. Antiga reivindicação do empresariado, ganha fôlego agora. De onde vem o dinheiro para cobrir o buraco na receita é outra história.

    Ainda por essa lógica foi a troca do presidente do Banco do Brasil por alguém ainda mais petista e mais camarada (em duplo sentido) para a redução de juros e o aumento de créditos convenientes. Assinante do jornal leia mais em: É a crise, estúpido!

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.