quarta-feira, 29 de abril de 2009

A Ribeirão Preto de Jorge Rodini

Mais uma colaboração de Jorge Rodini, diretor do instituto de pesquisas Engrácia Garcia, para o blog. Desta vez, sobre Ribeirão Preto, a capital nacional do chopp de qualidade.

A minha Ribeirão Preto não é a gênese, é a revisita. Não é a metrópole, é a cidade pacata do quarteirão francês. É onde o público ensina e forma os jovens a se transformarem líderes da coisa privada.

É a cidade largo, outrora capital da cultura, do renascimento, do experiente cheirando a novo.

É a do teatro do Imperador, das praças e do cafezinho. É Única. Altiva, capitaneia a região soberana, congrega os locais.

A Ribeirão pela qual me apaixonei é a do Otoniel, do antigo e, ao mesmo tempo, renovador colégio Estadão. Diretor herói do Sertão, que clamava pelo Hino Nacional com respeito e orgulho.

Ribeirão, das domingueiras recreativas aos sábados da Nove de Julho. É a cidade dos nomes globais. De Heraldo a Ernesto. Do Nacional ao Fantástico. Do Pereira ao Paglia. Universo das rádios, do Datena ao Marcio, irmão do Zé e do Edmo.

A Ribeirão em que meus filhos e meu neto nasceram não é menos charmosa, é mais comercial. É política, com conquistas e dissabores.

A Ribeirão que me entristece é a que não reconhece. Grandes nomes da educação, da cultura, das artes e do esporte. Figuras carimbadas, hoje desdenhadas. Esta não , definitivamente, a minha terra.

A minha terra tem palmeiras na Jerônimo, tem Museus, tem Bosques, tem Condomínios de luxo, tem estádios grandes e vazios, tem desenvolvimento, tem futuro.

Quem tem raiz, tem vida. Tem o chopp na veia, tem a história bem formulada, nunca acabada. Tem orgulho e cuidado. Somos responsáveis pelo que amamos.

A Ribeirão, enfim, que queremos é a que iremos construir, divulgar e respeitar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.