quarta-feira, 15 de abril de 2009

Pausa para rir: governador Serra
faz parte da "esquerda revolucionária"

Mais uma do impagável Nivaldo Cordeiro, o grande rival do professor Hariovaldo Almeida Prado lá do Mídia Sem Máscara. A diferença é que Nivaldão se leva a sério... Agora o distinto público finalmente saberá que José Serra (PSDB) integra a "esquerda revolucionária". É para rir do começo ao fim. Os trechos em negrito são indicações do blog, segue abaixo, na íntegra, o texto do bravo combatente da ultradireita. Vale a pena ir até o fim acompanhando o raciocínio (?) do autor.

Totalitarismo Imperfeito

Nivaldo Cordeiro | 11 Abril 2009

Eu nunca me esqueço de que Hitler subiu ao poder usando da sua obsessão com o tema da saúde como plataforma, como faz agora José Serra. Ficaram famosas suas “guerras” contra o câncer e outras doenças. Ninguém podia fumar perto dele, que também não consumia carne por supostamente fazer mal à saúde.

Resolvi voltar ao tema do artigo anterior depois de ler os comentários da jornalista Barbara Gancia na Folha de São Paulo, em sua edição de hoje. Rememoremos. O governador José Serra apresentou projeto de lei praticamente vedando o uso de tabaco em locais públicos no Estado de São Paulo. A Assembléia Legislativa o aprovou por ampla maioria e o monstrengo legal deverá ser sancionado proximamente. Mais um entulho legal totalitário a infernizar a vida das pessoas. Devo lembrar ao caro leitor que não advogo em causa própria, pois não faço uso do cigarro. Peguei o tema como exemplo do movimento geral que percebo das esquerdas revolucionárias ora governantes. Suas inovações jurídico-legais formam um movimento em pinça que objetiva duas metas importantes: impor a qualquer custo a homogeneização da distribuição de renda, roubando os contribuintes que trabalham e cevando vastas multidões de desocupados com remunerações ilegítimas pagas por impostos; e a regulação da vida pessoal ao ponto de se suprimir a espontaneidade da existência cotidiana.

Em artigo mais antigo demonstrei que o filósofo Ortega y Gasset percebeu o mesmo fenômeno na Europa do seu tempo, fato que registrou no livro monumental A REBELIÃO DAS MASSAS, publicado em 1930. Nas suas palavras: “O estatismo é a forma superior que tomam a violência e a ação direta constituídas em normas. Através e por meio do Estado, máquina anônima, as massas atuam por si mesmas”. Estamos em plena rebelião das massas novamente.

Essa lei do governador José Serra é nada mais nada menos que isso, uma forma superior de violência direta contra os homens e mulheres livres. A burocratização da vida cotidiana ao ponto da asfixia está em grau avançado e outro nome não existe para esse processo que não ditadura. Caberia ao governante lúcido avocar para si a proteção das liberdades e das minorias; José Serra faz o seu contrário, no anseio de se credenciar junto às multidões cretinas para receber seus votos.

Mas voltemos ao texto de Barbara Gancia. Lamenta a autora que a lei não tenha sido mais abrangente: “Aos termocéfalos que ainda insistem em se matar a baforadas, ficou reservado o olho da rua e a intimidade (por quanto tempo, ninguém sabe) do próprio lar”. A articulista propõe implicitamente que tal lei deveria impedir o cigarro até mesmo no ambiente do lar, na inviolabilidade da intimidade da pessoa. A estúpida senhora completa: “Nenhum ser provido de massa encefálica pode ser contrário a uma lei que visa proteger os fumantes passivos, evita doenças graves e promove uma melhora generalizada na saúde da população”.

Eu nunca me esqueço de que Hitler subiu ao poder usando da sua obsessão com o tema da saúde como plataforma, como faz agora José Serra. Ficaram famosas suas “guerras” contra o câncer e outras doenças. Ninguém podia fumar perto dele, que também não consumia carne por supostamente fazer mal à saúde. Veja, caro leitor, que só seres moralmente deformados como Hitler avocam a si a condições de aperfeiçoar a humanidade por meio do Estado e onde isso aconteceu a ditadura virou instituição. Mesmo nos EUA vive-se a ditadura do politicamente correto e a indústria mais próspera de lá, que não sofreu com a atual crise econômica, é a ampliação da oferta de novas vagas no sistema prisional. Tudo para a sua segurança e sua saúde.

Tentando ser espirituosa, Barbara Gancia concluiu assim o seu artigo: “Na quarta-feira, jantei na companhia de amigos em um restaurante fantástico dos Jardins. Éramos 16 à mesa, a maioria advogados. Perguntei sobre a lei antifumo e ouvi que ela pode fracassar por conta da enxurrada de contestações que chegarão aos tribunais. Olhei ao meu redor e percebi uma penca de fumantes exercitando o seu vício como se não houvesse amanhã”. Veja, caro leitor, que ela deixa no ar que exercitar o direito constitucional de entrar com mandatos de segurança é nocivo (como contestar uma lei supostamente tão boa e preocupada com a saúde de todos?). E observa seus amigos fumantes exercitando um suposto vício, algo contestável, esquecendo-se que a humanidade fuma desde que descobriu-se o tabaco. Ela não enxerga o óbvio: que seus amigos apenas exerciam a sua liberdade, que pessoas adultas, capazes e bem formadas, juristas ou não, são donas de suas próprias vidas. Mas liberdade é algo que essas almas deformadas pelo totalitarismo não suportam.

Nos próximos dias veremos muitos artigos de formadores de opinião assalariados ao poder fazerem a defesa dessa lei estúpida. Atente, caro leitor: são todos eles mentirosos e mal intencionados. São cabos eleitorais de ditadores por vocação. São companheiros de viagem da revolução em marcha. São lacaios dos coletivistas totalitários. Querem destruir o bem mais precioso: a liberdade individual. Precisamos resistir. Existir é resistir. Nenhuma Bárbara Gancia escreverá essas alucinações mentirosas sem ser objeto de minhas contestações. Pode me aguardar.

Aproveito para desejar a você, caro leitor, uma Feliz Páscoa, na paz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

4 comentários:

  1. Nossa, Luiz, não sei quem é pior: o Serra, a Bárbara Gancia ou esse Nivaldo. Agora, cá entre nós, você pisou na bola ao comparar este cidadão ao impoluto líder dos homens bons da nação, o proeminente Professor Hariovaldo.

    ResponderExcluir
  2. Não, não, não... mil vezes não!!!!Não te levantas, oh Filisteu sacripanta! Não te compares ao nosso amado,idolatrado, único, inefável, estimoso, líder, sábio,honrado e impoluto Prof Hariovaldo. Queimarás no fogo do inferno, local das almas impuras e penarás até o final dos tempos, por ter desonrado o nome sagrado do Professor Hariovaldo Almeida Prado!

    Que Assim seja!

    Glória a São Serapião!

    ResponderExcluir
  3. Luíz, pega leve, pois você está sendo citado no blog do Professor Hariovaldo. São Serapião haverá de fazê-lo passar para o lado dos homens bons da Nação.

    ResponderExcluir
  4. Não admitimos tais despautérios! O imponente, magnífico, eloquente e angelical - Professor Hariprado - não tem rivais. Redima-se dessa sua blasfêmia e se confesse a São Tomás de Torquemada. Quem sabe assim, serás perdoado por propalar heresias comunistas!

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.