quinta-feira, 16 de abril de 2009

Obama quer ser parceiro do cara

É, Lula anda mesmo impossível. Nesta altura do campeonato, deve ter tucano arrependido de não ter ajudado a campanha de John McCain...

Obama diz que Brasil é "peça-chave no mundo" e que quer ser "parceiro" de Lula

da Folha Online

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse em entrevista à rede de TV CNN em espanhol que "os tempos mudaram" e que, agora, o Brasil "é uma potência econômica e uma peça-chave no cenário internacional". O americano disse ainda que ele e o colega brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, "deveriam ser parceiros".

"Minha mensagem mais importante é a de que vivemos no século 21. Os tempos mudaram. Um país como o Brasil é uma potência econômica e uma peça-chave no cenário mundial. A minha relação com o presidente Lula é a de dois líderes que têm grandes países, que estão tentando resolver problemas e criar oportunidades para nossos povos, e nós devemos ser parceiros. Não existem parceiros sênior e parceiros junior."

Obama destacou a importância que percebe no Brasil ao comentar a desconfiança com que os latino-americanos veem os EUA. Nesta quinta-feira, o presidente iniciou uma visita oficial ao México --a sua primeira, na América Latina. De lá, ele irá a Trinidad e Tobago, participar da 5ª Cúpula das Américas ao lado dos outros 33 líderes do continente.

"Não quero exagerar no grau do sentimento antiamericano. Eu acho que essas coisas têm altos e baixos", afirmou Obama. "Há uma tradição de preocupação em relação ao rigor dos EUA nas políticas direcionadas à América Latina. E isso não apareceu só no governo Bush [2001-2008]. Isso data da doutrina Monroe."

Em dezembro de 1823, o presidente americano James Monroe (1817-1825) lançou a doutrina que declarava o Hemisfério Ocidental sua zona de influência e que ficou conhecida pela frase: "A América para os americanos".

Os laços entre Obama e Lula apareceram ainda antes da eleição do americano, no final do ano passado, quando o brasileiro declarou apoio à candidatura dele. Menos de uma semana depois da posse, Obama telefonou para Lula e o convidou para ir à Casa Branca, em março, convite que o brasileiro aceitou e cumpriu --foi apenas o terceiro líder a visitar o americano.

Dias depois, na reunião do G20, em Londres, Obama foi flagrado dizendo, em uma conversa informal, que Lula era "o cara" e "o político mais popular da Terra". Depois, em Brasília, Lula comentaria a cena dizendo que Obama é "um cara legal".

Cuba

Na entrevista, Obama defendeu as mudanças que realizou nas relações com Cuba e reagiu às declarações do ex-ditador cubano Fidel Castro, para quem a ilha "jamais estenderá suas mãos pedindo esmolas".

"Eu não espero que Cuba peça esmolas. Ninguém quer que ninguém peça esmolas. O que procuramos é um sinal de que ocorrerão mudanças nas ações de Cuba que garantirão que prisioneiros políticos sejam soltos; que as pessoas poderão dizer o que pensam livremente; que elas poderão viajar; que elas poderão escrever e ir à igreja e fazer coisas que pessoas de todo o hemisfério podem fazer e não se dão conta."

Nesta segunda-feira (13), Obama derrubou restrições impostas em relação a Cuba sobre a duração e frequência de viagens de cubano-americanos que vivem nos EUA para a ilha e o envio de dinheiro e de produtos como roupas e equipamento de pesca, entre outros itens. "Demos um importante primeiro passo."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.