terça-feira, 28 de abril de 2009

Todos os furos do Congresso em Foco

Mais uma matéria do autor deste blog para o Observatório da Imprensa. Na íntegra, para os leitores do Entrelinhas.

COBERTURA POLÍTICA
Todos os furos do Congresso em Foco


Foi furo atrás de furo. O site Congresso em Foco, especializado na cobertura do legislativo federal, está colhendo agora os frutos de um investimento iniciado há pouco mais de meia década. A farra das passagens aéreas na Câmara Federal vem obrigando os jornalões a imprimir, quase diariamente, o nome do site em suas matérias sobre o assunto. Afinal, foi na internet que primeiro apareceu a lista dos deputados que voaram para o exterior com passagens pagas com dinheiro público, logo depois de duas outras reportagens exclusivas – uma revelou as viagens de artistas, entre as quais Adriane Galisteu, às custas do gabinete do deputado Fábio Faria (PMN-RN); a outra provou que Roseana Sarney (PMDB), ainda senadora, antes de assumir o governo do Maranhão, também ofereceu bilhetes a amigos e familiares.

Em pouco mais de um mês, foram três tiros certeiros. O Congresso em Foco, porém, já tem muita história para contar. Em fevereiro de 2004, o site estreava na rede mundial de computadores com o objetivo de acompanhar o dia a dia do Congresso Nacional e suprir as lacunas da cobertura tradicional da imprensa sobre os assuntos do legislativo federal. O jornalista Sylvio Costa, diretor do site, explica que antes do lançamento do Congresso em Foco, já editava um boletim eletrônico chamado "Congresso na Tela", preparado para clientes da agência de comunicação da qual é sócio, a Oficina da Palavra.

Com o tempo, Costa percebeu que havia um interesse grande em uma cobertura especializada dos assuntos do Congresso e decidiu investir na ideia, tomando o cuidado de criar um novo nome para o site, hoje hospedado no portal iG, com quem tem um contrato que ajuda a pagar as despesas da redação. Sylvio Costa adianta que o Congresso em Foco não é lucrativo – o jornalista, que ainda trabalha na agência e também dirige o Espaço Cultural Brasil Telecom, diz que ainda está investindo no projeto, mas trabalha para torná-lo sustentável logo. Para tanto, a aposta é que a audiência qualificada seja uma vitrine e convença o mercado publicitário a anunciar no site.

Se o modelo de negócios ainda não está totalmente resolvido, a linha editorial já estava na cabeça do jornalista em 2004 e pode ser sintetizada na expressão "jornalismo político de serviços". "Queríamos mostrar quem são os parlamentares, o patrimônio deles, como votam em questões chaves, enfim, fazer um acompanhamento quase individual dos parlamentares". Para isto, explica Sylvio Costa, a internet é a melhor plataforma, uma vez que não oferece o empecilho do espaço físico limitado das publicações impressas. "Nosso pressuposto era o de que a qualidade de representação política no Brasil é muito baixa, mas poderia melhorar com o acompanhamento sistemático dos congressistas", revela Sylvio, em consonância com editorial publicado na segunda-feira (27/4) no site e reproduzido ao final deste texto.

O levantamento minucioso dos dados dos 513 deputados e 81 senadores deu origem ao livro O que esperar do novo Congresso – perfil e agenda da legislatura 2007/2011, editado em parceria com o Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar). Sylvio Costa explica que a base de dados que o Congresso em Foco já conseguiu acumular a partir de diversas fontes, sobretudo oficiais, permite aos 9 jornalistas que hoje trabalham na redação do site cruzar informações, levantar pautas e descobrir histórias que os parlamentares certamente prefeririam manter ocultas.

Apesar da redação sempre muito enxuta – no começo eram três jornalistas e dois estagiários –, o site foi ganhando respeito e conquistando fontes antes exclusivas dos grandes veículos. Além disto, diz Costa, o Congresso em Foco sempre apostou na pesquisa cuidadosa das fontes públicas e oficiais, muitas vezes desprezadas no trabalho de quem acompanha o legislativo. Os levantamentos de assiduidade apresentados pelo site, por exemplo, são feitos a partir dos dados do próprio Congresso, bem como a lista dos parlamentares processados é fruto de pesquisa nas páginas do Judiciário na internet, explica o diretor.

Apesar de ter se notabilizado pelos furos e denúncias importantes de corrupção no Congresso Nacional, Sylvio Costa afirma que não pretende fazer uma página eletrônica de "escândalos", e sim "um veículo a favor do Congresso". "Queremos aumentar o conhecimento das pessoas sobre o Congresso para que ele seja melhor. Queremos discutir saídas para o Congresso e não passar a ideia de que está tudo perdido", explica o jornalista.

Bastidores de uma reportagem

No episódio que levou o Congresso em Foco para as primeiras páginas de praticamente todos os jornais do país – em muitos casos sem o devido crédito, conforme reclama o diretor do site –, a apuração começou muito tempo antes da publicação da lista dos deputados federais que viajaram para o exterior com suas mulheres, namoradas e familiares usando bilhetes de seus gabinetes. O repórter Lúcio Lambranho, que integra a redação desde 2006, conta que começou a investigar o tema em agosto de 2008. "Descobrimos que um assessor parlamentar estava sendo processado por desviar passagens da cota de um gabinete de um ex-deputado federal", revela o jornalista. A partir da denúncia, explica Lambranho, descobriu-se que o assessor havia sido contratado por um outro deputado, este da atual legislatura. Confrontado com o processo, o parlamentar demitiu o assessor.

A partir daí, os fios foram sendo puxados e a apuração chegou em um colaborador de Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, que teria viajado com passagens do gabinete da então senadora Roseana, irmã de Fernando. A história repercutiu e permitiu a abertura de novas fontes. "Foi como montar um grande quebra-cabeça", diz Lambranho. No final, três jornalistas participaram da investigação (além de Lúcio, Edson Sardinha e Eduardo Militão), que levou algumas semanas entre checagens e rechecagens até que o quadro estivesse completo. Lúcio Lambranho garante que não há furo: todas as viagens para o exterior dos nobres deputados estão computadas na lista publicada no site. Foram exatos 1881 voos internacionais entre janeiro de 2007 a outubro de 2008, a um custo de exatos R$ 4.765.946,91.

Motivações políticas: não há fontes desinteressadas

Questionado se a guerra política aberta com a eleição de José Sarney (PMDB-AP) para a presidência do Senado ajudou os repórteres do site na obtenção de informações, o diretor do Congresso em Foco é cauteloso. "Toda fonte tem algum tipo de interesse. Se imaginarmos que vamos fazer jornalismo com fontes desinteressadas, não vamos, não se faz jornalismo", diz Sylvio Costa. Ele nega, no entanto, que o Congresso em Foco tenha recebido "pronta" a lista das viagens ou que a informação tenha partido de uma única fonte com interesse na divulgação da denúncia. "Houve apuração. Claro que pode ter havido alguma plantação, mas acho que nenhuma história se sustenta se não houver veracidade", diz Costa, que se diz espantando quando alguém pergunta "quem é a fonte" da reportagem das viagens internacionais. "Tivemos uma preocupação grande em ouvir o ‘outro lado’, ligamos para os gabinetes para que todos pudessem se pronunciar", lembra Lúcio Lambranho.

Cobertura diferenciada e focada, um banco de dados amplo, muito esforço na investigação e permissão para apurações longas parecem ser os ingredientes que estão fazendo do Congresso em Foco um caso particular na cobertura da política nacional. "Há muito tempo que a imprensa de Brasília é pautada pelo Congresso em Foco", diz, orgulhoso, o diretor Sylvio Costa. Para quem está cansado do estilo copy-paste vigente na internet, especialmente nas agências de notícia e sites jornalísticos dos grandes portais, não deixa de ser uma boa notícia saber que existe, sim, jornalismo inteligente e bem apurado na rede mundial.

Um comentário:

  1. O mais impressionante é o fato de serem pautas possíveis da cobertura da grande mídia. Tomaram furo de uma URL. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.