terça-feira, 8 de maio de 2007

HP responde: vai garantir a integridade de Mainardi para a Veja continuar decadente

O jornal Hora do Povo respondeu, no editorial reproduzido abaixo, o teor de reportagem da revista Veja desta semana, bem como o artigo do colunista Diogo Mainardi. Os dois, Veja e Mainardi, acusam o MR8, grupo responsável pela publicação do HP, de ameaçar o colunista de assassinato. Diogo Mainardi inclusive decidiu processar o Diretor de Redação do jornal, embora já tenha escrito que só "jornalistas maricas" processam jornalistas.

Como se pode ler na resposta abaixo, o jornal do Oito deixa evidente o que qualquer energúmeno já deveria ter percebido: a referência a Mainardi era uma piada, do mesmo tipo que o próprio colunista de Veja não se cansa de fazer em relação ao presidente Lula, a quem diz querer "derrubar". Veja e Mainardi não entenderam porque a piada não porque lhes falta discernimento, mas porque não gostaram de saber que o governo Lula publica anúncios no HP. O que o grupo Abril mais teme é a democratização da mídia brasileira. É isto que está em jogo e não a tal "integridade física" do colunista...


Os familiares do sr. Mainardi e seus amigos – se é que ele possui algum – não têm razão para se preocupar com a sua integridade física.
Apesar da celeuma que “Veja” pretendeu causar com a nota de 10 linhas aqui publicada, na edição do dia 27 de abril, ele não corre nenhum perigo.
O HP não produziu qualquer ameaça nem incitou à sua morte. Aliás, “Veja” deveria se decidir por um dos dois delitos, antes de pagar seus escribas para ridiculamente nos acusar de ter cometido os dois ao mesmo tempo.
A quem não revelou inteligência suficiente para apreender o teor do nosso texto, através da sua simples leitura, vamos esclarecer pausadamente.
A nota, que tem como título “Inconformado com perda da impunidade, Diego desrespeita a memória de Bacuri”, é composta de duas partes distintas.
A primeira, com exceção da troca de seu primeiro nome, de Diogo, para Diego, é cem por cento séria:
“Condenado com seus patrões da ‘Veja’ a pagar 30 mil reais ao ministro Franklin Martins, em processo por calúnia, o garoto de programa Diego Mainardi houve por bem se auto-intitular ‘o Bacuri do petismo’.
Bacuri foi martirizado por 109 dias seguidos no Deops e perdeu a vida em 1970 por negar-se a revelar aos algozes informações que pudessem prejudicar o andamento da luta revolucionária contra a ditadura. Foi um herói na plena acepção da palavra.
Já o pequeno canalha perdeu apenas algum dinheiro.”
A segunda parte é um deboche, uma gozação, uma provocação, um exagero, uma piada, como as que o sr. Mainardi pretende estar fazendo quando afirma que “só dou opinião mediante pagamento antecipado”:
“Sabemos o que o vil metal significa para certo tipo de pessoas. Ainda assim, ao que tudo indica ele está pedindo para perder algo mais.
Pode ficar tranqüilo. Não faltarão almas pias para fazer a sua vontade”.
Vil metal, almas pias... desde quando o HP se vale desse tipo de expressões quando está falando sério? Deu para perceber que se trata de uma devolução, em dose homeopática, de seu próprio veneno ou vai ser necessário um desenho? E quem não captou o motivo pelo qual trocamos intencionalmente o seu primeiro nome, é só perguntar que ele não se furtará a responder.
Para que não reste nenhuma dúvida quanto às nossas intenções, todos os companheiros aqui da Redação do HP declaram solenemente que assumem integral responsabilidade pela segurança do sr. Mainardi. Ela muito nos interessa.
E vamos explicar a razão.
Mainardi é uma das causas do isolamento e declínio de “Veja”, esse instrumento golpista e visceralmente antidemocrático a serviço de tudo o que há de mais esclerosado no mundo. Porque ele consegue, sem grande esforço, se colocar freqüentemente à direita da linha editorial nazi-africâner da publicação, acelerando com isso o seu desprestígio.
Agora que estamos devidamente conversados, firmeza, pessoal: o Mainardi ninguém tasca!

Um comentário:

  1. Antonio Lyra Filho8 de maio de 2007 15:23

    O declínio da Veja é tão evidente, que estão fazendo campanha para conseguir assinaturas no sentido de cobrir as que perderam.
    A perda de credibilidade da revista já é evidente, junto aos leitores.
    Diogo Mainardi e Reinaldo Azevedo, têm uma grande parcela nesta queda da credibilidade da revista.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.