quinta-feira, 24 de maio de 2007

"Estado policialesco" é a conversa do dia

Estão muito lindos, no início desta fria noite de quinta-feira (em São Paulo, gelada), os discuros dos senadores em prol da democracia e contra os "excessos" da Polícia Federal. Arthur Virgílio (PSDB-AM) foi um dos mais contundentes defensores da necessidade da Polícia Federal "republicana" (certamente em contraposição à que está aí, que investiga e prende corruptos). Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE) foi outro que se posicionou de maneira firme contra os tais excessos da PF. Trocando em miúdos, a conversa do dia em Brasília lembra o velho ditado, politicamente incorreto: "quem tem cú tem medo". Os excelentíssimos estão com as orelhas ardendo porque já ouviram muita coisa a respeito da tal lista de mimos do empreiteiro Zuleido Veras a pelo menos um quinto do parlamento. Está nascendo um segundo caso Sanguessuga, pelo menos pelo número de envolvidos. No fundo, enquanto os senadores querem coibir os excessos da PF, o povão quer ver os federais mandando brasa, grampeando os ladrões e fazendo o possível e o impossível para por essa gente na cadeia. Quem reclama pode até ser inocente, mas vai passar recibo de ter o rabo preso com alguma falcatrua. Daí o medo, como bem lembra o ditado...

2 comentários:

  1. Se a consequencia for acabar com os "mimos", já valeu.

    ResponderExcluir
  2. Antonio Lyra Filho25 de maio de 2007 10:46

    O Senador Jarbas Vasconcelos é o mesmo que dias atraz subiu na tribuna para criticar a Policia Federal por haver presos os seus amigos de Pernambuco que formaram um cartel do combustível.
    Volta desta vez para novamente criticar a Policia Federal por haver presos muita gente envolvida na Operação Navalha.
    Jarbas Vasconcelos, que já foi militante de esquerda, sucumbiu e hoje passou a defender a direita e os ricos.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.