quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Cadê a gripe suína que estava aqui?

Hoje, 20 de agosto de 2009, completa-se um mês da publicação da estrondosa chamada "Gripe suína deve atingir 35 milhões no país em 2 meses", que pode ser conferida abaixo, na capa Folha de S. Paulo de 19/07.



Bem, falta apenas um mês para que o vaticínio da Folha se realize. Segundo um leitor deste blog, até agora o Ministério da Saúde confirma 3.087 pacientes infectados (dados de 18/08), o que representa 0,00882% da "meta" de 35 milhões. O leitor pondera que há realmente subnotificação e propõe uma conta mais favorável à Folha. Considerando que todos os 3.087 infectados sejam casos graves e que se enquadrariam entre os que acabam morrendo da doença, é possível calcular, baseado na taxa de letalidade, o total possível de infectados (basta fazer a conta inversa, considerando assim que os 3.087 representariam os 0,19% da taxa de letalidade no país). Neste caso, seriam 1,625 milhão de brasileiros infectados, ou 4,64% da "meta" de 35 milhões a ser "alcançada" em 19 de setembro, segundo o bravo diário da Barão de Limeira. Ou seja, a gripe suína precisa pegar de jeito 33 milhões de brasileiros em um mês para a Folha estar correta. O vírus vai ter que trabalhar forte em setembro para dar conta do recado...

Este blog espera que o Ombudsman da Folha volte ao assunto no dia 19 de setembro. Sim, Carlos Eduardo Lins da Silva já repreendeu a redação pela barbeiragem. Mas precisa agora registrar que a barriga foi realmente vexaminosa.

3 comentários:

  1. O vexame fica ainda pior se for feita a conta apenas com o número de mortos. E fica pior ainda se for verdade o que o Diego Mainardi afirmou, que a letalidade no Brasil é a maior do mundo.

    ResponderExcluir
  2. O blog português Quintus tem posts interessantes sobre a gripe A.

    http://movv.org

    Vale a pena botar em discussão.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.