quinta-feira, 7 de junho de 2007

O "crime" de Vavá

A Polícia Federal já esclareceu do que é acusado Genival Inácio da Silva, o Vavá, irmão do presidente Lula que está sob investigação. Está na matéria da Folha de S. Paulo desta quinta-feira (e reproduzida abaixo): prometendo benefícios para empresários do ramo de jogos, Vavá receberia entre R$ 2 mil a R$ 3 mil de Nilton Cézar Servo. Detalhe importante: ele não conseguia atender os pedidos dos empresários.

Este blog já tinha adiantado que se tudo que a PF tem contra o presidente Lula são os "crimes" de Vavá, a cartucheira dos federais está mesmo vazia, porque este irmão de Lula em particular é um simplório e no máximo poderia ter se envolvido com alguma bobagem. Não deu outra. O tal "crime" de Vavá tem mais cara de "mesada" do amigo Nilton Cézar do que qualquer outra coisa. Lula havia dito que seu irmão "não tem cabeça" para fazer lobby e a Polícia Federal está confirmando as palavras do presidente.

É chato para Lula que seu irmão receba uns trocados de um empresário de jogos, dono de casas de bingo? É chato, mas absolutamente não é ilegal. O fato de Vavá não conseguir "entregar a mercadoria", isto é, obter os benefícios prometidos aos empresários, confirma que o presidente não tem mesmo nada a ver com o pato, isto é, com Vavá.

A seguir, a reportagem da Folha:


Irmão de Lula vendia favores a empresário de jogo, diz PF

Segundo a investigação, Vavá prometia benefícios e vantagens em órgãos do governo

Sem dizer que interesses ele defendia, polícia afirma que Vavá recebia de R$ 2.000 a R$ 3.000, mas não era capaz de atender os pedidos feitos

HUDSON CORRÊA
DA AGÊNCIA FOLHA EM CAMPO GRANDE

RUBENS VALENTE
ENVIADO ESPECIAL A CAMPO GRANDE

Segundo a Polícia Federal, Genival Inácio da Silva, o Vavá, irmão mais velho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, recebia dinheiro -valores que variavam de R$ 2.000 a R$ 3.000- do empresário de jogos Nilton Cezar Servo, preso na Operação Xeque-Mate.
Ele pedia dinheiro prometendo benefícios e vantagens a Servo em órgãos governamentais. A PF, porém, não informou quais interesses Vavá defendia e em que órgãos. Segundo a polícia, Vavá fazia promessas, porém não conseguia atender os pedidos.
Mesmo sem alcançar os objetivos, o irmão do presidente foi indiciado sob suspeita de tráfico de influência no Poder Executivo e exploração de prestígio no Judiciário, dentro da Operação Xeque-Mate, na última segunda-feira.
A PF, que fez busca e apreensão na casa de Vavá em São Bernardo do Campo, chegou a pedir a prisão dele, no que não foi atendida.
A Justiça entendeu que não estava comprovado o tráfico de influência do irmão de Lula no setor da máfia dos jogos, alvo da Operação Xeque-Mate e dos pedidos de prisão.
Conforme a polícia, foi descoberto na operação que donos de caça-níqueis em Mato Grosso do Sul e São Paulo pagavam propina a policiais para manterem o jogo funcionando, além de importarem ilegalmente componentes eletrônicos para as máquinas.
Um delegado próximo às investigações afirmou que a PF, ao investigar Servo, que até abril deste ano operava máquinas de caça-níqueis, chegou a Vavá e passou a investigá-lo também.
Para essa operação, foram 166 mil ligações gravadas nos últimos seis meses, das quais 5.600 foram selecionadas.

Depoimento
Preso anteontem em Minas, Servo prestou depoimento ontem em Campo Grande. Candidato a deputado federal pelo PSB em 2006 em coligação com o PT, quando declarou patrimônio de R$ 500 mil dinheiro e a mesma quantia em jóias, Servo é considerado um dos líderes da máfia dos caça-níqueis.
Escutas telefônicas registram conversas de Servo com Vavá pelo menos até março deste ano, apontando que ele continuava com o tráfico de influência.
Em 2005, no auge da crise do mensalão, a imprensa publicou que Vavá abriu escritório em São Bernardo para ajudar empresários a ter acesso ao governo federal. Ele, por exemplo, intermediou encontros de representantes da Federação Brasileira de Hospitais com assessores próximos a Lula.
Em outra frente, Vavá, apresentando-se como irmão do presidente, também intermediou audiências do empresário português Emídio Mendes, do Riviera Group, na Petrobras.
A informação da PF sobre pagamento de dinheiro a Vavá confirma acusações de um ex-gerente de Servo, Andrei Cunha, em depoimento a PF. Também preso na Operação Xeque-Mate, Cunha aceitou o benefício da delação premiada.
Até o início deste ano, Cunha era gerente de Servo. Os dois se desentenderam. Um policial contou que, segundo Cunha, Vavá pedia quantia acima de R$ 10 mil, mas o valor repassado por Servo era menor -de R$ 2.000 a R$ 3.000. No depoimento, porém, Cunha não informa por que motivo Servo pagaria Vavá.
A PF divulgou ontem uma correção no balanço da Operação Xeque-Mate: 78 pessoas foram presas e seis estavam foragidas. Anteontem a polícia havia anunciado número diferente: 79 detidos.

3 comentários:

  1. Luis, muito lúcida sua observação. Pena que esta observação vai ficar restrita a alguns meios de comunicação como blogs como o seu, isso pq a intenção da mídia é sujar a imagem do presidente, não importa como. Vavá pode não 'ter conseguido os benefícios' para os empresários mas o fato de 'pegar' dinheiro com eles é o suficiente para que a mídia golpista faça a festa em cima da imagem do Lula. Ruim é que esta mesma mídia não vai elucidar o fato de que se Vavá não consegue os 'benefícios' só pode ser porque Lula não foi corruptível.

    É lamentável, lamentável mesmo.

    Parabéns pelo blog e pelo texto!!!

    abraço.

    ResponderExcluir
  2. Não estou acusando o Presidente Lula de nada, mesmo porque eu nem poderia fazê-lo mas...É impressionante como todos o que o cercam sempre estão envolvidos em tudo quanto é tipo de pilantragem. Seus homens fortes, ministros, assessores, e agora até o irmão?E ele nunca sabe de nada?Nunca está envolvido?Nunca tem culpa no cartório?ha ha ha! au-dessus de moi non !

    ResponderExcluir
  3. Fala Luiz...

    Seu blog é mto bacana, parece q temos a msm linha nos nossos blogs, depois dá uma visitada lá no meu... http://sanguedbarata.blogspot.com/

    Qto ao caso da PF, acho q ainda darao mto o q falar.

    Abs

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.