quinta-feira, 4 de junho de 2009

Tudo conspira a favor de Dilma?

Palpite de um dos mais lúcidos militantes do PSOL: se a crise não se agravar mais (ele acha que se agrava) e continuar nesta toada, ou melhorar um pouco (ele duvida que melhore), e salvo o surgimento de um mega-escândalo envolvendo a ministra da Casa Civil (ele duvida que apareça algo assim), Dilma Rousseff já pode preparar o figurino para subir a rampa do Palácio do Planalto no dia 1° de janeiro de 2011. Analista político dos bons, o militante, que por sua relação com o partido prefere manter-se no anonimato, explica que a conjuntura é extremamente favorável à candidata do presidente porque ele, Lula, com sua incomensurável capacidade de comunicação, já conseguiu convencer a população de que a crise não afetou o Brasil como está afetando outros países em função das políticas adotadas por seu governo. E mais: conseguiu convecer o povão que em breve tudo voltará ao normal e o crescimento será ainda maior. "Nem os trabalhadores demitidos na Embraer toparam fazer piquetes porque estão convencidos de que serão recontratados em breve", afirma, perplexo, o militante, dos bem experientes nas mobilizações e greves em São Paulo. A ver.

3 comentários:

  1. A única variável que pode mudar isso é John Aécio Neves.

    Se ele entrar no meio, fica difícil.

    Mas Serra? Serra vai ser engolido pela internet antes da primeira propaganda política na tv.

    ResponderExcluir
  2. E o Aécio, o Serra derruba com o primeiro dossiê, porque se tem uma coisa que nunca perturbou o Serra é a lealdade com o PSDB. Ele só é leal a seus próprios desejos, como foi à d. Ruth.

    ResponderExcluir
  3. Por favor, estão embarcando nessa nova tentativa de lançar o Aecio como um cara legal, um cara bom, diferente do Serra? Ele é alternativa para o caso da candidatura Serra fazer água, não uma alternativa a Dilma.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.