terça-feira, 9 de junho de 2009

Ibope confirma: o "cara" está nas alturas

Mais uma pesquisa saiu do forno, desta vez realizada pelo Ibope. Os números confirmam os levantamentos do Datafolha e Sensus e revelam que a popularidade do presidente Lula voltou a superar a casa dos 80%, ao passo que a aprovação do governo passa de 65%, isto nos três levantamentos. É muito para um país em recessão? Ou a recessão é menos evidente do que parece? A resposta pode estar no número do PIB que mede o consumo das famílias. Entre todos os indicadores que compõem o PIB, foi o que mais cresceu. Na vida real, portanto, o povão continua comprando mais e, portanto, está mais feliz do que antes, apesar do medo do desemprego. Este blog tem um palpite: a popularidade de Lula só cairá se as taxas de desemprego voltarem aos níves do governo Fernando Henrique Cardoso, quando batiam em mais de 15%. Do contrário, Lula vai voar em céu de brigadeiro até a eleição de 2010. Se conseguirá eleger sua candidata são outros quinhentos. Fosse ele o candidato, estaria eleito com o pé nas costas. Mas a oposição sabe: é meio caminho andado. Daí o pânico e a tentativa de armar qualquer tipo de confusão para tentar debilitar um pouco o governo, como ocorre com a tal CPI da Petrobras.

A seguir a matéria do portal G1 sobre a pesquisa do Ibope.

Aprovação de Lula é de 80%, diz CNI/Ibope

Nível é 2% acima do registrado em março.
Governo é ótimo ou bom para 68% dos entrevistados.

Eduardo Bresciani Do G1, em Brasília

A aprovação ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva é de 80% de acordo com a pesquisa CNI/Ibope, divulgada nesta terça-feira (9). Para 68% dos entrevistados o governo Lula é ótimo e bom. São 76% os brasileiros que confiam no presidente, segundo a pesquisa.

O nível de aprovação ao presidente se recupera depois de cair para 78% em março e retorna aos mesmo 80% registrados em setembro de 2008, antes do estouro da crise financeira internacional. Em dezembro do ano passado, Lula alcançou a sua maior aprovação na série da pesquisa Ibope, com aprovação de 84%. A desaprovação ao presidente em junho deste ano é de 16%, enquanto 4% não opinaram.

Na avaliação do governo, os números também retornaram ao cenário pré-crise. Os 68% de ótimo e bom superam os 64% registrados em março, mas estão ainda abaixo dos 73% registrados em dezembro do ano passado. Na pesquisa atual, 24% consideram o governo regular e apenas 8% avaliam a administração como ruim ou péssimo.

O índice de confiança no presidente seguiu os mesmos gráficos das outras questões. Na pesquisa atual, 76% disseram confiar no presidente, enquanto 21% não confiam. Os outros 3% não opinaram. O índice de confiança é menor apenas do que os registrados em dezembro do ano passado e em março de 2003, logo após a posse no primeiro mandato.

Para 45% dos entrevistados, o segundo mandato de Lula é melhor que o primeiro. Em março esta opinião era de 41%. Para 40%, os dois mandatos são iguais, enquanto 14% acreditam que o governo piorou no segundo mandato. A nota do presidente Lula ficou em 7,5, a segunda melhor desde o início do governo, ficando apenas atrás dos 7,8 registrados em dezembro do ano passado.

De acordo com a pesquisa, o Nordeste é a região em que o presidente registra o maior índice de aprovação (92%). Na região Sul, a aprovação de Lula ficou em 66%, o menor índice por regiões.

A aprovação de Lula é maior entre os homens (83%) do que entre as mulheres (77%). Por idade, os eleitores com mais de 50 anos são os que mais aprovam (84%). Entre os eleitores com 40 e 49, a aprovação está no pior patamar, 73%.

A aprovação é melhor também entre os que estudaram até a quarta série do ensino fundamental (85%). Entre os pesquisados com nível superior a aprovação ficou em 72%, no menor patamar por escolaridade.

A pesquisa foi realizada de 29 de maio a 1 de junho com 2.002 entrevistados em 143 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Um comentário:

  1. Quero ver como o Montenegro (dono do IBOPE) vai explicar mais essa. Ele já "garantiu" que em 2010 é SERRA na cabeça (não sei de quem?...)

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.