quinta-feira, 16 de agosto de 2007

A crise e os chutes

Tanto o discurso olímpico do governo sobre a "blindagem" do Brasil à crise internacional que estaria se iniciando a partir do mercado imobiliário norte-americano quanto o catastrofismo dos que torcem para a economia brasileira piorar apenas para prejudicar a popularidade do presidente Lula estão claramente exagerados. Por um lado, ainda é cedo para saber a gravidade do problema, que tanto pode ser um espirro mais forte, porém restrito aos mercados financeiros, como uma pneumonia, envolvendo um órgão vital da superpotência que lidera a economia mundial. No primeiro caso, de fato o Brasil sofrerá pouco ou quase nada; no segundo, dificilmente escapará ileso. O discurso catastrofista também é exagerado porque nitidamente não se trata de uma crise com origem na economia real dos Estados Unidos e os organismos financeiros internacionais, bancos centrais à frente, têm muita bala para impedir que o problema se torne sistêmico. Como diria o gaiato, muita calma nesta hora... Em poucos dias será possível ter uma visão melhor do tamanho da encrenca.

2 comentários:

  1. Sem querer acabei sendo um dos últimos a entrevistar Joel Silveira, O maior Repórter do Brasil, pouco menos de um mês antes de sua morte. A entrevista está publicado, inclusive com áudio, no meu blog: www.dtdnews.blogspot.com
    Confere lá!

    ResponderExcluir
  2. Não sei de onde é que tiram essa estória de que muitos "torcem para a economia brasileira piorar".

    Ao contrário, muitos não apoiam o Lula porque a economia não cresce os 10% que teria condições...

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.