quinta-feira, 12 de julho de 2007

Calheiros manobra e colhe um desastre

Quanto mais o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) tenta manobrar para sair da encalacrada política que representa o processo no Conselho de Ética, mais perto ele fica de um beco sem saída. Ou melhor, de saída única: a renúncia ao cargo de presidente do Senado, no mínimo, ou mesmo do mandato, se as coisas piorarem. Nesta quinta, ele tentou protelar o processo marcando para terça-feira uma reunião da Mesa Diretora que estava marcada para hoje mesmo. O resultado é um desastre político: por pouco os senadores da oposição não assumem uma postura mais belicista, de simplesmente não votar mais nada até que Renan se afaste do cargo. A solução encontrada – uma espécie de ultimato até terça – é um pouco menos pior para Calheiros, mas também significa o agravamento de sua situação. O balcão de apostas agora gira em torno do prazo: nos bastidores, até mesmo gente da base governista acha que Renan não resiste a agosto, o mês das renúncias, suicídios e tantos outros episódios de mau agouro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.