sábado, 18 de julho de 2009

No Twitter: Serra sabe cantar Gonzagão

O Twitter vai se tornando, cada dia mais, obrigatório para os jornalistas. Os repórteres que cobrem política precisam ter um perfil para seguir de perto os queridos representantes do povo que lá estão, contando um pouco de suas vidas e trajetórias ou mandando recados aos eleitores e adversários. O governador José Serra (PSDB), por exemplo, tem o seu perfil e até que "tuita" com frequência. Hoje ele dedicou alguns comentários em seu microblog aos nordestinos. Aproveitou, como se pode ler abaixo, para reforçar o seu "passado operário" e revelou aos incautos que sabe cantar as músicas de Luiz Gonzaga. Este blog prefere não imaginar a mítica Asa Branca na voz do ilustre governador.

joseserra_
Nasci e me criei na Moóca, bairro operário e porta de entrada dos migrantes nordestinos. Foi na escola que aprendi a cantar Luis Gonzaga.

Em tempo: Fica a dica para jornalistas interessados em pautas divertidas: juntar as besteiras escritas por políticos no Twitter. ACM Neto no momento acompanha o jogo do Bahia pela segundona. Agripino Maia avisa que tem 3 reuniões neste primeiro sábado do recesso parlamentar. Serra, sempre ele, dá dicas sobre o trânsito... em Paris ("Os paulistanos reclamam com razão do trânsito de SP. Pois acreditem: fiquei 1h30 engarrafado em Paris. Sexta-feira aqui vira um inferno."). O mundo está mudando e a política também. O mico que os políticos pagam com a total falta de bom senso no uso das novas tecnologias sempre foi grande, mas agora é público. Alô, coleguinhas, é a pauta mais fácil do mundo!! Está quicando na área para vocês chutarem.

Um comentário:

  1. Faltou observar que, no caso do tucano de SP, as frequentes ações da polícia sobre os estudantes e o cala-boca nos professores e servidores públicos vêm permitindo, há 15 anos, que ele possa "tuitar direito"...

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.