sábado, 28 de fevereiro de 2009

Krugman aprova Orçamento de Obama

Paul Krugman vinha criticando bastante os planos de Barack Obama para deter a crise financeira e econômica que abala os Estados Unidos. Mudou de idéia ao analisar o Orçamento para o próximo ano que o presidente enviou ao Congresso e que precisa ser aprovado até outubro. Abaixo, a tradução do artigo de Krugman para o New York Times que a Folha de S. Paulo publica na edição de hoje.

Orçamento muda EUA de rumo

ELEIÇÕES TÊM consequências. O Orçamento do presidente Barack Obama representa uma ruptura enorme, não só com as políticas dos últimos oito anos, mas com as tendências políticas dos últimos 30. Se ele conseguir que o Congresso aprove qualquer coisa parecida com o plano anunciado anteontem, terá posto os EUA num rumo novo.

Entre outras coisas, o Orçamento será recebido com enorme alívio pelos democratas que começavam a sentir um pouco de depressão pós-eleitoral. O pacote de estímulo econômico que o Congresso aprovou pode ter sido muito fraco e focado em cortes nos impostos. A recusa do governo em endurecer com os bancos pode ter decepcionado. Mas o temor de que Obama pudesse sacrificar as prioridades progressistas em seu Orçamento acabou. Isso porque este Orçamento prevê US$ 634 bilhões em gastos nos próximos dez anos com a reforma da saúde. Não dá para pagar por cobertura universal, mas é um começo impressionante.

Em outro front, também é animador ver que o Orçamento projeta US$ 645 bilhões em receita com a venda de autorizações para emitir carbono, o que mostra preparo para lidar com a mudança climática. E essas novas prioridades estão expostas num documento cuja clareza e plausibilidade parecem incríveis a quem se acostumou a ler os Orçamentos de Bush, que insultavam nossa inteligência a cada página. O que temos agora é um Orçamento no qual se pode crer.


Corte no déficit
Muitos perguntarão se Obama poderá realmente reduzir o déficit de US$ 1,75 trilhão neste ano para menos de um terço disso em 2013, como está prometendo. Sim, ele pode. Hoje o déficit é enorme por fatores temporários (ou que esperamos que sejam temporários): um recuo econômico grave vem deprimindo a receita, e grandes montantes precisam ser reservados para o estímulo fiscal e resgates financeiros. Mas, se e quando a crise passar, o quadro deve melhorar.

De 2005 a 2007 -nos três anos que antecederam a crise-, o déficit federal foi da ordem média de US$ 243 bilhões por ano. Durante esses anos as receitas estavam inflacionadas, até certo ponto, pela bolha imobiliária. Mas também é verdade que gastávamos mais de US$ 100 bilhões por ano no Iraque. Portanto, se Obama tirar os EUA do Iraque (sem afundar num atoleiro afegão) e conseguir arquitetar uma recuperação econômica sólida - dois "ses" grandes-, reduzir o déficit para US$ 500 bilhões em 2013 não deve ser difícil. Quanto aos juros sobre as dívidas acumuladas nos próximos anos, as taxas são inferiores a 4%, de modo que mesmo US$ 1 trilhão de dívida adicional somará menos de US$ 40 bilhões por ano a déficits futuros. E esses custos já se refletem na proposta orçamentária. Se temos boas prioridades e projeções plausíveis, o que há para não se gostar neste Orçamento? Basicamente, as perspectivas de longo prazo.

Segundo as projeções do governo, a razão entre a dívida federal e o PIB vai subir muito até se estabilizar em torno de 60%. Não seria um nível extraordinariamente alto pelos padrões internacionais, mas seria o maior endividamento dos EUA desde os anos imediatamente seguintes à Segunda Guerra. E isso nos deixaria com margem de manobra consideravelmente reduzida caso outra crise se apresentasse.

Ademais, o Orçamento Obama trata apenas dos próximos dez anos. Os problemas fiscais realmente graves dos EUA estão mais além desse horizonte: cedo ou tarde vamos ter que encarar as forças que empurram para cima os gastos de longo prazo -sobretudo o custo sempre crescente da saúde. E, mesmo que os custos da reforma fundamental da saúde sejam controlados, eu, pelo menos, acho difícil que o governo federal consiga cumprir suas obrigações de longo prazo sem elevar pelo menos um pouco os impostos sobre a classe média. Mas não culpo Obama por deixar algumas perguntas grandes sem resposta.

Há um limite ao pensamento de longo prazo que o sistema político consegue encarar sob uma crise grave. E este Orçamento parece ser muito, muito bom.

2 comentários:

  1. Agora todos os problemas serão resolvidos. isso só o PIG de lá acredita, pois nem o nosso PIG-etílico acredita.

    ResponderExcluir
  2. Agora todos os problemas serão resolvidos. Isto só o PIG de lá acredita, pois nem o nosso PIG-etílico acredita.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.