quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Não dá para não reproduzir

É furo do blog do Noblat. Seria cômico se não fosse trágico.

Senado pranteia a morte de deputado que está vivo

Sessão do Senado, há pouco.

16h46 - O SR. PAULO PAIM (Bloco/PT – RS) – Sr. Presidente, pela ordem, para uma comunicação...

O SR. PRESIDENTE (Marconi Perillo. PSDB – GO) – Registrada a manifestação do Senador Alvaro Dias, concedo a palavra ao Senador Paulo Paim e, logo após, ao Senador Arthur Virgílio.

O SR. PAULO PAIM (Bloco/PT – RS) – Só para uma comunicação urgente e muito rápida, porque vou inclusive me descolar. Fui comunicado, neste momento, Senador Eduardo Suplicy, de que o nosso companheiro – Senador Arthur Virgílio, V. Exª foi Deputado junto conosco –, o Deputado Adão Pretto, faleceu neste momento, e, naturalmente, vamos nos deslocar para o Estado.

Adão Pretto morava na cidade de Canoas, onde também tenho a minha principal base eleitoral.

Companheiro de longas e longas jornadas. Eu sempre dizia que o Deputado Adão Pretto é um Deputado do Brasil. Ele viajava por todo este País defendendo os mais oprimidos, principalmente os trabalhadores sem-terra. Senador Arthur Virgílio, aqui neste momento, vamos providenciar um voto de pesar e buscar a assinatura de todos os Senadores. Muito obrigado, Sr. Presidente.

O SR. PRESIDENTE (Marconi Perillo. PSDB – GO) – Esta Presidência registra, com muito pesar, o falecimento do ilustre Deputado Adão Pretto, com quem tive a honra também de laborar quando Deputado Federal. E passa a palavra ao senador Arthur Virgílio.

O SR. ARTHUR VIRGÍLIO (PSDB – AM. Pela ordem. Sem revisão do orador.) – Sr. Presidente, eu tinha todas as adversidades ideológicas e políticas com o Deputado Adão Pretto e, por outro lado, por paradoxal que pareça, todas as afinidades de amizade pessoal.

S. Exª inclusive teve, na sua vida, um episódio marcante comigo, porque, Líder do Governo Fernando Henrique, para defender o Governo de uma bateria que vinha da combativa Bancada do PT, Senadora Patrícia, com 30, 40, 50 discursos num dia, eu dispunha de cinco minutos para responder a tantos ataques inteligentes, muitas vezes fundamentados, outras vezes, nem tanto – mas sempre inteligentes.

Certa vez, expliquei à Mesa que não era possível ter cinco minutos contra três horas. O Deputado Adão Pretto foi daqueles que disseram que a Mesa deveria, nessas ocasiões, garantir a mim, como Líder, uma hora, uma hora e meia, duas horas. E eu falava uma hora, uma hora e meia, duas horas nos momentos mais agudos com a aquiescência do Plenário – proposto por Deputados do PT, inclusive Adão Pretto, entre outros.

Se me perguntam: Concorda com sua atualização política? Não concordo. Se me perguntam: Perdeu muito, porque alguém da sua estima se foi? Perdi muito, porque eu tinha muita estima. Ainda há quatro dias, tive a ocasião de dar nele um abraço muito afetuoso, até porque aprendi a separar muito bem essa coisa de adversário, que não é inimigo. Respeito muito adversário valoroso, que acredita no que está fazendo esteja ele errado aos meus olhos ou esteja eu errado aos olhos dele. Portanto, é com muita honra que a Bancada do PSDB assina esse voto de pesar.

O SR. JOSÉ NERY (PSOL – PA. Pela ordem. Sem revisão do orador.) – Sr. Presidente Senador Marconi Perillo, Srªs e Srs. Senadores, foi com enorme pesar que recebemos a notícia do falecimento do militante, do trabalhador Deputado Adão Pretto, que tem uma longa folha de serviços prestados à causa do povo brasileiro, dos trabalhadores e dos oprimidos.

Perde o Rio Grande do Sul e o Brasil um dos seus filhos mais comprometidos com a construção de um futuro de felicidade para nosso povo. Perde os trabalhadores rurais, os pequenos agricultores, um dos maiores defensores das suas causas, em especial da luta pela reforma agrária, do combate ao trabalho escravo e da luta pela garantia dos direitos fundamentais dos trabalhadores brasileiros.

O PSOL se associa, neste voto de pesar, aos demais companheiros que já se manifestaram, manifesta à família do Deputado Adão Pretto nosso pesar, assim como a seus companheiros de partido, o Partido dos Trabalhadores e ao povo do Rio Grande do Sul, que perdem este importante líder popular.

O PSOL, Sr. Presidente, subscreve o requerimento para este voto de pesar, porque entende que é uma forma de minimamente para confortar a família, seus amigos, seus companheiros de luta, bem como registrar o nosso reconhecimento aos trabalhos de Adão Pretto, sua luta permanente, militante e comprometida com a libertação do nosso povo.

Portanto, Sr. Presidente, o PSOL subscreve esse requerimento de pesar e torce para que aqueles que sempre estiveram ao lado de Adão Pretto continuem no Rio Grande do Sul e no Brasil construindo a possibilidade de garantia de dignidade, de respeito aos direitos do nosso povo pelo qual Adão Pretto em seus 63 anos de vida honrou com muita determinação, coragem, muitas vezes, com renúncias para poder valer o seu compromisso de luta pela transformação do nosso País. Muito obrigado Sr. Presidente.

Em seguida pediu a palavra a senadora Marina Silva, que a certa altura do seu discurso disse:

- Tenho certeza que assim como no Acre, o Rio Grande do Sul terá outros filhos que continuarão a luta de Adão Pretto.

Foi quando Paim pediu novamente a palavra. E anunciou:

- Efetivamente, o deputado não morreu.

Alívio e constrangimento gerais.

De fato, o deputado está gravemente enfermo, internado em um hospital do seu Estado. Mas continua vivo.

A senadora Fátima Cleide (PT-RO) saiu em socorro de Paim:

– Sr. Presidente, o que a Senadora Marina Silva fala aqui ao lado, e faço questão de registrar, é que, desde de manhã, continuamos acreditando num milagre. E a notícia que o Senador Paulo Paim nos traz nos dá um sopro de esperança no sentido de que o Criador coloque sobre a vida do nosso querido companheiro Adão Pretto a sua mão para reabilitá-lo. Não perdemos a esperança ainda.

Em seguida todos mudaram de assunto.

2 comentários:

  1. E o coitado morreu hoje de manhã hein
    as 7h40
    o Paim errou por pouco mais de 12hs

    ResponderExcluir
  2. Foi talvez um pressagiar quase coletivo. Após o anúncio fúnebre,aqueles que puderam fazer uso da palavra,pressentindo o oportunismo característico da "safadagem" se anteciparam em loas na infantil espectativa de que quando chegar a "vez de cada um" estaria o finado a recebê-los no além. Talvez tenha sido isso.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.