terça-feira, 19 de setembro de 2006

Lorenzetti assume culpa, mas não explica recurso

O ex-dirigente da CUT e diretor licenciado do Banco de Santa Catarina Jorge Lorenzetti assumiu a culpa no caso da compra de dossiês. Ele enviou carta pedindo o afastamento das atividades que exercia no comitê da campanha de reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e disse que "extrapolou" suas atribuições. Lorenzetti, porém, não explicou de onde vieram os recursos para pagar a operação. A questão toda agora é de onde vieram os quase R$ 2 milhões encontrados com os petistas presos. O caso pode virar um tsunami se a fonte dos recursos não for devidamente esclarecida.

Um comentário:

  1. Certo que a direita quer impugnar o Lula, com isso cancelar as eleições, interromper o processo democrático, e deve ter tido algo a ver com essa coisa toda. Tenho certeza que o Lula não sabia (mesmo) de coisa nenhuma que estava se passando entre essa cambada de gente sem a menor noção de Política, de institucionalidade, de democracia, de regras de decência política, mas vai ficar difícil explicar agora para uma direita e uma mídia que vão fazer a festa. Se queriam, agora criaram mesmo uma crise institucional, só que uma boa parte da responsabilidade cabe ao chamado Partido dos Trabalhadores. Então o presidente desse Partido sabia que iam procurar a Época, e pra quê? Para dar uma entrevista sobre ginástica ou sobre nutrição saudável? Não perguntou? E não disseram? E quem ia procurar a revista? O chefe da contra-espionagem do partido junto com o marido da secretária particular do Lula. E esses caras têm o quê dentro do cérebro? Telefonando para o Vedoin como se não houvesse grampo (da PF, do PSDB, sei lá de quem)! E de onde veio o dinheiro? Olha que eu ia (e se houver eleição vou votar no Lula), mas com esse partido de cabeças de bagre não dá.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.