quarta-feira, 14 de março de 2007

Folha pega pesado com o Santo Padre

Deve ter muito jornalista no segundo (ou terceiro, quarto, quinto...) casamento na redação da Folha de S. Paulo para uma frase bobinha tirada da boca de Bento 16 ganhar a manchete do jornal (2° casamento é uma praga, diz papa), com título em seis colunas, nesta quarta-feira. É indisfarçável a má vontade do jornal com o conservadorismo do papa, mas é preciso lembrar ao pessoal da Barão de Limeira que só é católico quem quer.

Ademais, a chamada de capa desrespeita a regra básica do jornalismo de que notícia é o homem morder o cão, e não o inverso. Se quiser continuar pegando no pé de Bento, o jornal pode fazer uma série de reportagens bombásticas, a partir da que foi publicada hoje, e ir jogando na primeira página até líder o religioso chegar no Brasil: "Papa exige que católicos rezem" e "Bento 16 condena sexo antes do casamento" são algumas sugestões de "suites", como se diz no jargão das redações, que este blog deixa para a Folha.

2 comentários:

  1. Não concordo com a sua nota. Acho que a fala do Papa é notícia, sim (e pode ser manchete). Ademais,há muitos catolicismos dentro da Igreja católica. Acho que só é católico quem quer, mas nem todos os catolicos apoiam as idéias de Bento 16, como mostra a própria matéria da Folha. E a Folha não está "pegando no pé" do Papa, está apenas fazendo o seu trabalho.
    Em tempo: também senti um certo preconceito do jornalista quando fala dos colegas da Folha, que devem estar no segundo ou mais casamentos...

    ResponderExcluir
  2. Detesto a FSP, mas são ainda mais detestáveis as posições do sr. Ratzinger dentro da igreja católica. Seu repúdio ao aborto, à eutanásia, ao divórcio, ao controle de natalidade, etc. são de um medievalismo incompreensível. No mais a FSP se comportou como sempre: manchetes cretinas no intuito de prejudicar alguém.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.