quarta-feira, 19 de julho de 2006

Gente fina é outra coisa

O jornalista Reinaldo Azevedo foi rápido no gatilho e publicou em seu blog uma nota a respeito do deputado Pastor Amarlido (PSC-TO), que apareceu na lista dos suspeitos de envolvimento no escândalo dos Sanguessugas. É que este mesmo deputado foi quem apresentou, a pedido da Federação Nacional dos Jornalistas o projeto de lei aprovado no Congresso e que regulamenta o exercício da profissão de jornalista. O monstrengo da Fenaj, apresentado pelo sanguessuga Amarildo, inclui diversas funções como privativas dos diplomados em jornalismo. Comentaristas, assessores de imprensa e até chargistas teriam a obrigação de cursar uma faculdade e obter o canudo para trabalhar.

De tão ruim, a proposta da Fenaj conseguiu provocar uma unanimidade: todas as entidades da sociedade civil envolvidas com a questão, com exceção naturalmente da própria Fenaj, se manifestaram contra o projeto. A Associação Brasileira de Imprensa (ABI), por exemplo, já encaminhou um documento ao presidente da República explicando sua posição pelo veto do monstrengo.

O projeto de Lei está na mão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A Casa Civil da Presidência está examinando o texto e nesta quarta-feira a Folha de S. Paulo revela que a tendência até agora é realmente pelo veto do projeto. Os defensores da liberdade de expressão poderão respirar aliviados, mas será por pouco tempo. Conforme este blog já antecipou, o próximo passo da Fenaj será relançar o debate sobre o natimorto Conselho Federal de Jornalismo. Essa gente não desiste...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.