quarta-feira, 26 de março de 2008

12 milhões melhoraram de vida em 2007

A matéria abaixo, da Folha Online, é um retrato do que vai pela economia brasileira hoje. Enquanto este movimento estiver em curso, é realmente muito difícil que a popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva caia. Amanhã, o Ibope divulga mais uma rodada da pesquisa que mede a aprovação do presidente e de seu governo. Este blog não consulta videntes, mas aposta no mínimo na estabilidade dos índices anteriores. E não se surpreenderá se as taxas tiverem subindo ainda mais.

Quase 12 milhões de brasileiros deixam classes D/E em um ano

KAREN CAMACHO,
Editora-assistente de Dinheiro da Folha Online

As classes mais baixas da população, D e E, deixaram de ser maioria no Brasil. Em 2007, segundo estudo da financeira Cetelem em parceria com a Ipsos, o número de brasileiros nas classes mais baixas era de 72,9 milhões, cerca de 39% da população. Isso significa que 11,9 milhões de brasileiros passaram para classes mais altas em um ano, já que, em 2006, eram 84,8 milhões de brasileiros na base.

De acordo com o estudo, a classe C recebeu, tanto das mais baixas (D e E) como da mais alta (A e B), quase 10 milhões de integrantes, passando de 66,7 milhões em 2006 para 86,2 milhões em 2007, o que significa 46% da população.

O grupo que está nas classes A/B, por sua vez, reduziu de 32,8 milhões de pessoas em 2006 para 28 milhões em 2007, o que representa 15% da população.

Segundo a Cetelem, a pesquisa demonstra que houve diminuição na desigualdade de renda, com uma ligeira queda da renda média das classes A/B, ascensão de um grande contingente para a classe C e um pequeno aumento da renda média das classes D/E.

Em 2005, a renda média familiar das classes A/B era R$ 2.484. Ela caiu sucessivamente para R$ 2.325 e atingiu R$ 2.217 em 2007 --o que corresponde a uma redução de cerca de 11%. Nas classes D/E, a renda média familiar subiu de R$ 545 em 2005, para R$ 571 em 2006 e depois a R$ 580 em 2007, um crescimento de pouco mais de 6%.

Já a renda média da classe C permaneceu no mesmo patamar nesses três anos: algo em torno de R$ 1.100. A pesquisa ressalta ainda que o número de pessoas que passou de D/E para C teve um aumento de sua renda média mensal de R$ 580, para os atuais R$ 1.100.

Outro destaque da pesquisa foi a melhoria da renda disponível das classes C e D/E, aquela que sobra após o pagamento de contas e obrigações financeiras. A renda disponível das classes D/E foi negativa, em 2005, em R$ 17, terminando o ano no vermelho. No entanto, em 2006, a renda disponível ficou em pouco mais de R$ 2, subindo a R$ 22 no ano passado.

A classe C também registrou aumento nesse item. Ela era R$ 122 em 2005, passou para R$ 191 em 2006 e caiu para R$ 147 em 2007. Apesar da queda de 23,04% no último ano, quando se toma todo o período, o crescimento foi de 20%. Apenas as classes A/B viram diminuir sua renda disponível, caindo de R$ 632 em 2005 para R$ 506 em 2007, uma redução de 20%.

2 comentários:

  1. Grande notícia que demonstra que o Brasil está indo no caminho certo, independente do governo. O fundamental é exatamente isso: fazer com que mais e mais brasileiros ingressem no rol da qualidade de vida. É para isso que temos de lutar e essa luta está bem longe das babaquices ideológicas. Isso é gestão responsável.

    ResponderExcluir
  2. grande Luiz..

    A economia e os indicadores sociais estão indo tão bem que:

    Lula so perde popularidade se for flagrado fazendo sexo com uma mulher (morta) ou com um homem (vivo), caso contrário ele ainda consegue se explicar.

    como diz o simão, se tirarem uma foto do Lula com a Mão no cofre, o povo vai falar que ele estava pondo dinheiro rá ŕá rá..

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.