segunda-feira, 12 de junho de 2006

Cony revela subterrâneos da cobertura eleitoral

O texto do colunista Carlos Heitor Cony, na Folha de S. Paulo desta segunda-feira, reproduzido abaixo, é muito interessante por revelar algo que já está acontecendo nos bastidores das redações, mas que os jornais não informam aos seus leitores: a orientação, durante a campanha eleitoral, para que os jornalistas evitem se posicionar politicamente a favor de candidatos a cargos eletivos. Como observa Cony, tal orientação se deve à Lei Eleitoral em vigor - os veículos tentam evitar os processos judiciais –, mas também deixa subentendido que fora do período de campanha, os jornais aceitam algum tipo de posicionamento.
De toda maneira, o ideal seria que todos os jornais sérios, em nome da transparência, revelassem aos leitores os termos das orientações que estão passando para os seus jornalistas.

Pinga e chuchu
Carlos Heitor Cony
RIO DE JANEIRO - O pessoal que trabalha na mídia está sendo lembrado de algumas das disposições da complicadíssima Lei Eleitoral que vigorará para o próximo pleito e cujo chute inicial será no primeiro dia de julho. Como todos os outros profissionais da mídia, recebi as instruções que deverão me guiar nos comentários que aqui fizer, não apenas no jornal, mas no rádio e na TV. São recomendações óbvias, como a de não manifestar preferência por determinado candidato.No meu caso pessoal, a advertência é desnecessária, não tenho preferência por qualquer candidato, não votarei em nenhum deles, sejam quais forem os que se apresentarem até a hora da onça beber água. Não defendo o voto nulo para os outros, não defendo o voto nulo nem para mim mesmo. Apenas não voto um direito meu do qual não abdico.Nas instruções há um exagero, digamos, politicamente correto. Pede "cuidado com os adjetivos e ironias". Fica difícil deixar de adjetivar os candidatos, que são substantivos e na maioria das vezes merecem ser adjetivados para o bem ou para o mal. Quanto à ironia, será impossível a um cronista, articulista ou colunista (eu me considero cronista, e não colunista) passar três meses de grande agitação na seara política sem pingar alguma gozação -motivo haverá, e muitos. Os candidatos terão uma exibição na mídia que ocupará o espaço que agora damos aos jogadores da seleção nacional.Em eleição passada, uma candidata processou uma jornalista que a chamou de "quatrocentona". Não vejo ofensa alguma na classificação. Fico em dúvida se poderemos lembrar que um candidato elogiou o chuchu e outro é chegado a uma pinga de boa procedência.Tá certo. Não rolarão adjetivos e ironias na cobertura da campanha. Mas dinheiro suspeito rolará, como sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.