quinta-feira, 7 de agosto de 2008

O candidato de Lula pode não ser Dilma

Nos bastidores petistas, circula uma história curiosa a respeito da suposta preferência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo nome da ministra Dilma Rousseff para concorrer à presidência em 2010. Quem conhece Lula de perto diz que ele sempre teve apenas um candidato "de coração", cujo nome é Luiz Inácio Lula da Silva. Desta vez, porém, se as regras permanecerem como estão, o presidente teria mesmo que apoiar alguém. É bobagem acreditar que ele aceite bem passar o governo para a oposição com o objetivo de "facilitar" a sua volta em 2014. Lula tem total consciência da importância de manter o governo federal sob o comando do PT e dificilmente apoiaria um nome de outro partido. Pois bem, se a candidata do coração de Lula não é a ministra Dilma, como ele próprio anda fazendo questão de anunciar, quem seria o escolhido? Pode parecer estranho, mas tratar-se-ia do deputado federal e ex-ministro Antonio Palocci. Sim, Palocci responde a processo na Justiça pela violação do caseiro Francenildo. Nesta semana, não aceitou fazer um acordo para cumprir pena alternativa (e assumir a condição de culpado, evidentemente). Até 2010, provavelmente o caso terá sido julgado. Se Palocci for absolvido, estará "limpo" para a eleição. As vantagens na candidatura do ex-prefeito de Ribeirão Preto, do ponto de vista de Lula, são várias: ele teria amplo apoio no empresariado, possui experiência prévia de disputas eleitorais, inclusive para cargos executivos, é de total confiança do presidente e tem muito mais jogo de cintura do que a ministra Dilma. Como dizem os italianos, se non è vero, è bene trovato...

2 comentários:

  1. Contra o Palloci voto em qualquer candidato (Serra, Aécio, Ciro, etc.) Palocci não dá. Ele é o maior defensor dos banqueiros. Espero que o PT não seja estupido de escolhê-lo.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.