terça-feira, 5 de agosto de 2008

Ainda sobre as Farcs e o governo Lula

Vale a pena ler o artigo abaixo, da jornalista Eliane Cantanhêde, publicado na Folha de S. Paulo. Este blog geralmente discorda do que ela escreve, mas respeita a inteligência da colunista, uma das mais bem informadas de Brasília. No que diz respeito à polêmica em torno das relações entre as Farcs e gente do governo Lula, não poderia ser mais feliz a imagem utilizada por Eliane e que virou título de sua coluna desta terça-feira. Abaixo, na íntegra. Mas não adianta, a direitona vai continuar babando, como já se vê blogosfera afora...

Chifre em cabeça de cavalo

BRASÍLIA - Alfredo Stroessner foi ditador do Paraguai de 1954 a 1989 e não era flor que se cheirasse -que o digam suas vítimas e descendentes. Mas, ao ser chutado do poder, veio parar no Brasil, instalado cômoda e tranqüilamente na capital da República como exilado político, até morrer em 2006 de morte morrida, aos 93 anos de idade.

Isso não significa que o governo brasileiro financiasse o terror paraguaio, nem articulasse um golpe no país vizinho, nem... nem coisa nenhuma. Apenas concedeu-lhe um direito internacionalmente reconhecido: o asilo político.
Agora, há um deus-nos-acuda porque o Brasil acolhe o cidadão colombiano Olivério Medina, ex-padre que se apresenta como "embaixador" das Farc e cuja mulher, uma brasileira, trabalha no Ministério da Pesca. Entonces, pergunta-se: 1) o país que acolheu Stroessner por 17 anos não pode fazê-lo com Medina por quê? 2) nem ele nem sua mulher podem trabalhar e devem morrer de fome?

Essa discussão está fora de controle. A crítica que se deve fazer ao governo Lula é outra, por ter sido tão rápido e tão eficiente ao entregar os dois boxeadores cubanos de bandeja (ou melhor, de avião venezuelano) para o regime nada amistoso de Fidel Castro. Não por dar a Medina um status de asilado.

É como os e-mails das Farc citando brasileiros: isso não prova nada, muito menos participação na guerrilha, em contrabando de armas e cocaína, exportação de revoluções e articulações para derrubar Uribe.

Estamos carecas de saber das antigas ligações de setores da esquerda brasileira com as Farc, mas as Farc mudaram, o PT mudou, a turma do Planalto está feliz da vida com o poder. Ninguém mais fala em reformas, quanto mais em revolução em país alheio!

No máximo, pode-se falar em saídas negociadas entre Uribe e Farc, para evitar um mar de sangue. E daí? Com tantos problemas reais, é pouco para a gente ficar botando chifre em cabeça de cavalo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.