terça-feira, 15 de setembro de 2009

Serra e a ingenuidade na política

A matéria abaixo, do excelente repórter José Alberto Bombig, da Folha de S. Paulo, revela que o governador José Serra (PSDB) estaria vetando a candidatura do prefeito Gilberto Kassab (DEM) ao governo de São Paulo para evitar que Geraldo Alckmin deixe o ninho tucano e dispute o palácio dos Bandeirantes por outra legenda. Ora, é óbvio que Serra prefere Kassab a Alckmin, mas também é evidente que ele está de olho mesmo é na sua própria campanha, não quer deixar Alckmin se desgarrar agora, pois sabe que o ex-governador é muito forte eleitoralmente. Bem, mas quando setembro passar e outubro chegar, o prazo para as mudanças de partido com vistas às próximas eleições terá se encerrado, e aí é que, como diz o presidente Lula, o bicho vai pegar. Se este blog estiver certo, Serra vai mandar Alckmin catar coquinho e acabará com o tal veto à candidatura Kassab. Na boa matéria de Bombig faltou este dado. O repórter sabe perfeitamente que política é isto aí, um veto hoje não significa nada amanhã. Alckmin também sabe disto e tenta construir sua candidatura amarrando o tucanato, mas da mesma maneira que conseguiu dar um xeque-mate em Serra na disputa interna em 2005/06, poderá tomar uma rasteira do atual governador a partir de outubro...

Veto a Kassab tem como objetivo evitar saída de Alckmin do PSDB

JOSÉ ALBERTO BOMBIG
da Folha de S.Paulo

O veto do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), à articulação do prefeito Gilberto Kassab (DEM) para tentar concorrer ao governo do Estado no ano que vem foi um gesto do tucano na tentativa de evitar que Geraldo Alckmin deixe o PSDB até o final deste mês e concorra ao cargo por outro partido.
Líder disparado na mais recente pesquisa Datafolha, Alckmin, ex-governador e atual secretário do Desenvolvimento do governo Serra, recebeu sondagens de PSB, PTB e PV.
Os verdes estão dispostos a montar um palanque forte para Marina Silva, sua presidenciável, em São Paulo, e sonham contar com Alckmin.
PSB e PTB, apesar de integrarem a base de Serra, ainda avaliam apoiar o candidato (ou a candidata) do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
O vereador de São Paulo Gabriel Chalita (PSDB), histórico aliado de Alckmin, já anunciou que estuda deixar o PSDB para concorrer ao Senado. A decisão foi entendida no Palácio dos Bandeirantes como um recado claro de que Alckmin poderá fazer o mesmo se não tiver garantia de que irá concorrer ao governo com o apoio de Serra.
No PSDB, Alckmin disputa com o secretário da Casa Civil paulista, Aloysio Nunes Ferreira, o direito de se candidatar. Desde meados deste ano, no entanto, Kassab também vem articulando uma pré-candidatura com o apoio de parte do grupo serrista.
A ideia do DEM seria lançar Alckmin ao Senado ou à Câmara dos Deputados, hipóteses que o tucano não cogita.
Kassab nega: "Todos sabem que eu ficarei até o final de meu mandato e que existe em São Paulo uma aliança do PSDB com o DEM".
Segundo tucanos, o potencial de estrago de uma candidatura de Alckmin por outro partido é considerado muito alto para os planos de Serra de disputar a Presidência. Isso ocorre porque Serra seria pressionado a concorrer à reeleição para diminuir os riscos de o PSDB deixar o poder em São Paulo.
Páreo
Negando que Serra tenha sugerido que abandonasse a disputa, Nunes Ferreira deixou claro que não desistiu ao dizer que só no ano que vem decidirá se disputa as convenções contra Alckmin.
Serra, por sua vez, negou que tenha negociado apoio a Alckmin. "Não houve essa conversa. Não estou tratando de sucessão. Até porque sou governador e vou começar a tratar de sucessão aqui agora?"

Um comentário:

  1. Sempre há uma maneira de mostrar que a coisa vai ruim. Saíram os dados do varejo, divulgados pelo IBGE, que apontam um elevado crescimento mesmo sobre o ano passado (época anterior à crise, do país bombando). Porém... olha o que é manchete do Estadão: "Vendas do setor automotivo caem 10,4% em julho ante junho". Esse Brazil que não tem jeito mesmo... Vai de mau a pior...

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.