sexta-feira, 4 de abril de 2008

Caso Isabella: ombusman pede prudência

Ainda sobre o caso Isabella Nardoni, que a cada dia que passa se torna mais escabroso, vale a pena ler o comentário do ombunsman da Folha de S. Paulo, Mário Magalhães, publicado na Crítica Interna do dia 1° de abril. Em linhas gerais, ele pensa parecido com este blog. Sim, a cada dia aumentam as evidências de que o pai de Isabella está envolvido na morte da garota, mas a imprensa não deve se precipitar, porque ele ainda nem sequer foi indiciado, embora esteja preso como suspeito. A mídia também não pode, como já está acontecendo, assumir o papel do Judiciário e expor os acusados à execração pública.

O espectro da Escola Base

As coberturas da Folha, do "Estado" e do "Diário de S. Paulo" sobre a morte da menina Isabella, 5, têm profundas divergências sobre os fatos, da apuração policial às primeiras impressões dos legistas.

São contradições numerosas, que rendem um ótimo estudo de caso.

Não é a questão central da cobertura de hoje, contudo.

O grande contraste é o tratamento de Folha e "Diário" à versão de que um vizinho teria ouvido a menina gritar "Pára, pára, pai".

A Folha deu a informação em rodapé, perdida em um texto menor, só visto, conforme a hierarquia da página, por quem leu o noticiário integral.

O "Diário" manchetou, em letras garrafais: "'PÁRA, PAI! PÁRA, PAI!' - Polícia diz que testemunha ouviu gritos de criança antes de Isabella despencar da janela do 6º andar".

O comportamento da Folha está correto.

É possível que Isabella tenha gritado aquilo mesmo (mas a pontuação pode mudar o sentido), que o vizinho tenha ouvido, que o pai seja um assassino.

Mas é possível que nem tudo ou nada disso tenha ocorrido.

A manchete, embora formalmente não condene, expõe o pai em demasia.

Para a polícia, até ontem ele era "candidato a suspeito", essa condição esdrúxula ignorada pela lei.

Se vier a se comprovar a culpa paterna, a Folha deve dar a notícia com o merecido destaque.

Caso não se comprove, porém, o jornal não terá cometido um erro jornalístico grave (a rigor, independentemente da solução do caso, é um erro grave expor quem não é, reconhecidamente, pelo menos ainda, um homicida).

Em uma cobertura delicada como essa, é melhor errar pelo freio excessivo do que pelo pé no fundo do acelerador.

Um comentário:

  1. ombudsmam sensacional
    pena que saiu da Folha

    esperamos que o próximo seja da mesma linha

    a folha e o punlico perdem com a saída dele

    abraço

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.