quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Apareceu a margarida

O Procurador Geral da República, Antonio Fernando de Souza, finalmente apresentou a sua denúncia no caso do mensalão tucano, conforme pode ser lido na matéria abaixo, da Folha Online. Ironicamente, o protelamento da denúncia fez com que ela ocorresse justamente no dia em que o PSDB realiza um encontro em Brasília que reúne as suas principais lideranças. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, por exemplo e com todo o respeito, já tirou o seu da reta e disse que os culpados devem ser punidos.

Os principais envolvidos no caso são o senador Eduardo Azeredo, do PSDB de Minas, e o agora ex-ministro Walfrido dos Mares Guia, do PTB mineiro. Azeredo repetiu evasivas e prometeu provar a inocência. Mares Guia foi mais prático: renunciou ao cargo de ministro das Relações Institucionais para preparar a sua defesa, lembrando a atitude de Henrique Hargreaves no governo Itamar Franco. Leia abaixo a íntegra da matéria da Folha Online:

Procurador-geral oferece denúncia contra Walfrido, Azeredo e Marcos Valério

GABRIELA GUERREIRO e RENATA GIRALDI
da Folha Online, em Brasília

O procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, ofereceu denúncia ao STF (Supremo Tribunal Federal) nesta quarta-feira contra 15 acusados de envolvimento com o mensalão tucano, entre eles o ministro Walfrido dos Mares Guia (Relações Institucionais), o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) e o empresário Marcos Valério.

A denúncia tem cerca de 80 páginas e os acusados devem responder por peculato e lavagem de dinheiro, entre outros crimes. No Supremo, o relator do caso é o ministro Joaquim Barbosa.
Ueslei Marcelino/Folha Imagem
Ministro Walfrido dos Mares Guia está entre os denunciados pelo procurador-geral
Ministro Walfrido dos Mares Guia está entre os denunciados pelo procurador-geral

No documento, o procurador pede que o advogado Rogério Tolentino, sócio de Valério na empresa 2S Participações, seja investigado separadamente. Ele teria recebido dinheiro do valerioduto durante a campanha de 1998, quando o então governador Eduardo Azeredo tentou, sem êxito, a reeleição.

Então vice-governador de Azeredo, Walfrido é suspeito de ter participado do comando financeiro da campanha. Também teria quitado, por meio de Marcos Valério, dívida de R$ 700 mil de Azeredo com Cláudio Mourão, tesoureiro da campanha.

Governo

Com o oferecimento da denúncia ao Supremo, Walfrido deve deixar o cargo para se defender das acusações, como antecipou reportagem de hoje de Valdo Cruz.

O líder do governo na Câmara, José Múcio Monteiro (PTB-PE), disse que o ministro está desconfortável com a situação. "Qualquer pessoa que estiver sob a égide de uma ameaça dessas estaria desconfortável. Por isso que todos estão torcendo [por ele]. [O desconforto] só ele sabe e sua família", disse Múcio, cotado para assumir o posto de Walfrido.

Múcio negou que a saída de Walfrido tenha sido discutida na reunião de hoje do conselho político. "Esse assunto [a saída de Walfrido] não foi tratado. Todos nós estamos torcendo para o melhor do país. Todos nós sabemos da contribuição que o ministro Walfrido dá para o país: seu instinto democrático, a facilidade em conversar e saber ouvir."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.