sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Mendonção avisa seus colegas tucanos:
melhor aprovar rapidinho a MP 443

Enquanto os líderes oposicionistas fazem nhénhénhém, como diria aquele presidente de tão triste memória, no Congresso, criticando a medida provisória 443, que permite ao BB e CEF comprar instituições financeiras que estão com problemas, um dos mais lúcidos mentores do tucanato, o economista Luiz Carlos Mendonça de Barros, publica um artigo na Folha de S. Paulo desta sexta-feira elogiando a atuação do Banco Central e a MP 443. O recado de Mendonção, ministro das Comunicações na gestão Fernando Henrique Cardoso, para os tucanos é claro: "alô, palermas, não brinquem com fogo e aprovem logo a medida porque senão a coisa vai ficar feia". Mais claro, impossível. A seguir a íntegra do artigo do economista.

Da marola ao tsunami

A cortina de fumaça não paralisou o BC, que tomou medidas para lidar com a liquidez dos bancos menores

A CRISE financeira mundial chegou ao Brasil com todo o seu impacto destrutivo. Em setembro, os primeiros ventos dessa tempestade já podiam ser sentidos no âmbito mais restrito do mercado financeiro. A volatilidade dos ativos brasileiros, negociados aqui e no exterior, começou a aumentar de forma desordenada. Mas esses sentimentos não chegavam ao lado real da economia, que vivia ainda as doces brisas de um longo verão de crescimento.
A posição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ajudou muito para preservar esse entusiasmo. Qualificando a crise financeira como uma questão dos países do Primeiro Mundo, ele reforçava a impressão de que as dificuldades enfrentadas eram coisa de ricos. Mas essa cortina de fumaça rósea desapareceu agora em outubro.
Primeiro, a questão pontual das empresas que especularam com o real tornou-se um problema bancário sério. Depois, a consolidação do cenário de recessão global trouxe a crise financeira às economias emergentes. Com a velocidade e a força de um tsunami, foram atingidos nos últimos dias os papéis da dívida externa (privada e pública) de vários países, trazendo de volta os fantasmas das crises asiática em 1997 e da Rússia/Brasil em 1998.
A flutuação irracional dos preços tem causado prejuízos imensos em todos os segmentos do mercado financeiro. Em razão desse estado de coisas, os bancos brasileiros reduziram de forma agressiva a concessão de crédito. Os números deste mês mostram claramente um fenômeno de descontinuidade no mercado de crédito, no momento em que a atividade produtiva da economia e a febre de consumo de milhões de brasileiros atingiam seu ponto mais alto.
Os ventos externos -agora gelados e fortes- chocaram-se com o ar quente do otimismo de todos. Podem estar certos os leitores da Folha que o impacto sobre as empresas e os consumidores vai ser muito duro e duradouro.
Felizmente para todos nós, a cortina de fumaça não paralisou o Banco Central. Enquanto o ministro da Fazenda seguia o tortuoso e perigoso caminho de negar os problemas reais, o Banco Central agiu.
Tomou medidas agressivas para lidar com a questão da liquidez dos bancos de médio porte, reduzindo o compulsório e criando incentivos para a venda de carteiras de crédito dos bancos em dificuldades. Disponibilizou dólares de sua reserva para destravar as operações de financiamento ao comércio exterior. Injetou liquidez nos mercados de câmbio, agindo nos mercados "spot" e de derivativos.
Por fim, criou mecanismos legais no caso de ser necessária uma infusão de capital nas instituições com problemas de solvência. Apesar da grita contra uma possível estatização de prejuízos, não existe no momento uma alternativa para evitar a quebra de bancos e o aprofundamento da crise. Enfrentamos hoje os mesmos resmungos ouvidos nos Estados Unidos e na Europa há poucos meses. Sugiro a leitura da revista inglesa "The Economist" desta semana para que se possa digerir com menos dificuldades a medida provisória nº 443, assinada na terça-feira.
Aqui, como no exterior, vamos ter de usar o Estado para evitar o mal maior de uma recessão profunda. O que a sociedade deve exigir é que esse movimento, se necessário, seja feito com transparência e fiscalização externa. Como nos Estados Unidos, o Congresso Nacional deve criar uma comissão para acompanhar a utilização desse mecanismo extraordinário.
LUIZ CARLOS MENDONÇA DE BARROS, 65, engenheiro e economista, é economista-chefe da Quest Investimentos. Foi presidente do BNDES e ministro das Comunicações (governo Fernando Henrique Cardoso).

4 comentários:

  1. Luiz Antônio, gostaria de contar com seu apoio em divulgar o novíssimo vídeo: “SERRA E KASSAB, A MÁFIA PAULISTA”. Quem não vai gostar é os almofadinhas do "CANSEI" e os neuróticos jornalistas da Folha de São Paulo, Estadão, Veja, Rede Globo, SBT, Rede Record, RedeTV, Correio Brasiliense, O Globo, Jornal do Brasil e O Dia. O endereço do Yuotube:
    http://br.youtube.com/watch?v=tOQxrd5JiXc
    Um grande abraço, Daniel – editor do blog Desabafo País (Brasil):
    http://desabafopais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Luiz Antonio: Você já imaginou uma guerra onde o Brasil, segundo os preceitos de nossa "inteligentíssima" oposição, devesse avisar e discutir antecipadamente onde e quando iria atacar o inimigo? Pois é, moço! É isso que os gênios da oposição questionam: Porque o governo não informou antes ao congresso o que iria fazer o Banco Central? Com o devido desrespeito, esses caras são uns palhaços!
    São uns políticos Dem...
    Sds

    ResponderExcluir
  3. Quando pesa no bolso, não existe aliança, não!!

    ResponderExcluir
  4. Isso me cheira a obby. A pressa dele não estaria diretamente vinculada com as perdas que estaria tendo com a crise?
    Parece, que a sangria é substancial, daí a pousar de bonzinho e exigir atendimento ao Governo federal. Se fosse de outro jeito, podem esquecer...

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.