quinta-feira, 23 de novembro de 2006

A falsa questão das doações a políticos

A Folha de S. Paulo vem insistindo no tema do financiamento das campanhas eleitorais. No final de semana, o jornal publicou uma série de matérias mostrando que deputados e senadores recebem doações para as suas campanhas de empresas relacionadas aos temas que elegem para trabalhar em seus mandatos. Assim, um deputado que integra a CPI das Armas, por exemplo, foi financiado pela indústria armamentista e o mesmo se deu com vários parlamentares. Ora, fatos como esses são absolutamente normais (e legais, segundo as normas em vigor): estranho seria as empresas financiarem os adversários de suas "causas", digamos assim. É óbvio que os deputados-candidatos buscam recursos entre empresas com as quais mantém algum tipo de relacionamento e é justo que, eleitos, defendam os interesses com os quais se comprometeram.

A Folha sabe que não há ilegalidade alguma no que denuncia. A série de matérias na verdade revela apenas a hipocrisia do jornal, que vê o mundo repleto de "corruptos" ou "vendidos", mas não olha o próprio umbigo. Se quisesse realmente questionar o modelo, o jornal deveria defender o financiamento público das campanhas, que é a única medida capaz de mudar este cenário. Para a Folha, no entanto, o financiamento público é nefasto porque não acaba com o caixa dois e ainda coloca nas mãos dos partidos os recursos que o governo poderia aplicar em outras áreas. Seria bom perguntar então aos sábios da Folha qual é o melhor jeito para evitar os lobbys empresariais na disputa eleitoral. Eles devem ter a solução...

Um comentário:

  1. Concordo contigo, a Folha está pedindo uma coerência que ela mesma não tem (participou dos leilões de privatização da telefonia, aceita anúncios das mesmas empresas privadas que financiam as campanhas dos deputados etc).

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.