terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Como enganar o leitor sem mentir

A matéria abaixo, da Folha Online é um primor de manipulação jornalística. Não há uma única mentira na reportagem, mas ela simplesmente não mostra a realidade dos fatos. Primeiro, o título seco dá um número (pessoas demitidas em novembro) que não quer dizer coisa alguma. Afinal, 34 mil é muito ou muito pouco? Não há dado comparativo - quanto foi no mês passado? Todo mês há demissões nas empresas, o que interessa saber é o saldo (contratações menos demissões). Este dado não consta da reportagem.

Em seguida, o lide da matéria traz um outro número que economista nenhum utiliza, pois é um dado sem ajuste sazonal. Diz a Folha Online que o emprego em São Paulo na indústria caiu 1,46% em novembro, na comparação com outubro. Mentira? Não, verdade, mas é o dado sem ajuste sazonal. Só no terceiro parágrafo é que aparece o número que realmente importa, com ajuste sazonal: queda de 0,19% (ante queda de 0,14% em outubro). Ou seja, o ritmo do aumento de demissões ficou praticamente estável em novembro em relação a outubro. Isto no meio da maior crise da história do capitalismo, segundo a Folha...

A matéria também não dá muita bola para o dado do emprego acumulado no ano. Claro, não podia ser diferente, pois o número é bom para o governo (alta de 5,66%). Definitivamente, a Folha deveria mudar de slogan: ao invés do "De rabo preso com o leitor", passaria a ser "O que é bom (para o Lula) a gente esconde, o que é ruim a gente dá na manchete".

Indústria paulista demite 34 mil em novembro, diz Fiesp

O nível de emprego da indústria de transformação do Estado de São Paulo caiu 1,46% em novembro na comparação com o mês anterior, nos dados sem ajuste sazonal, segundo levantamento da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) divulgado nesta terça-feira.

No mês passado, foram perdidos 34 mil postos de trabalho, segundo a entidade. Em outubro, a queda sobre setembro tinha sido de 0,14%. No acumulado do ano, o nível de emprego está 5,66% maior que no mesmo período do ano passado, com 123 mil novas vagas abertas.

Considerando os dados com ajuste sazonal, que elimina características específicas de cada período, a baixa no emprego no mês passado foi de 0,19%.

Dos 21 setores que fazem parte da pesquisa, cinco tiveram desempenho positivo no mês passado, 14 setores mais demitiram do que contrataram e dois ficaram estáveis.

De acordo com o levantamento, novembro foi um mês mais favorável para o setor de máquinas, escritório e equipamentos de informática, que apresentou alta de 1,82%, seguido por produtos químicos, com expansão de 0,36%.

Na outra ponta, com as maiores quedas, estão couros e artigos de couro, artigos de viagem e calçados, com perda de 3,3%, e borracha e plástico, com recuo de 2,78%.

Por setores, no acumulado do ano, o que mais contratou foi o de máquinas, escritório e equipamentos de informática, com 58,08% de alta no nível de emprego, seguido por coque, refino de petróleo, combustíveis nucleares e álcool, com elevação de 29,27%.

Os que mais demitiram foram couro, artigos de viagem e calçados, com queda de 9,58%, e confecções e artigos de vestuário, com recuo de 2,22%.

3 comentários:

  1. Perfeita, Luiz. Vou copiar. E eles que "sifu".

    ResponderExcluir
  2. Carlos Roberto de Oliveira16 de dezembro de 2008 15:34

    E os neopositivistas ainda dizem que a estatística e a matemática são linguagens exatas e não dão margem à manipulação dos resultados da pesquisa científica. Bom, é que eles vivam na Áustria e não liam a Folha, o Estadão e Veja...

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.