segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Três cenários para 2009

O que vai abaixo é o artigo do autor do blog para o Correio da Cidadania. Em primeira mão para os leitores do Entrelinhas.


Já não são poucos os analistas que dizem ser mais fácil hoje escrever sobre como será o ano de 2010 do que o de 2009. A piada é engraçadinha, mas a verdade é que neste momento qualquer análise prospectiva, seja de curto, médio ou longo prazo, é muito complicada em função da crise financeira internacional, que ainda está em curso e cujos desdobramentos serão cruciais para o que vem pela frente. Este colunista não é advinho nem consulta videntes, de modo que o máximo que pode fazer é tentar esboçar alguns cenários para 2009 no Brasil, a partir de hipóteses sobre os efeitos da crise na economia mundial e nacional. Até porque, como diria o presidente Lula, nunca antes neste país (ou em qualquer outro) o jogo político ficou tão dependente dos acontecimentos econômicos como agora.

Muito a grosso modo, é possível vislumbrar três cenários para a atual crise - o otimista, o moderado e o pessimista. Comecemos, então, pelo último. Alguns economistas têm qualificado a crise financeira iniciada nos Estados Unidos como a "pior da história do capitalismo". Ainda que o diagnóstico seja um pouco precoce, há elementos que corroboram esta visão: os problemas começaram no coração do sistema (os EUA); já geraram perdas financeiras monumentais, que engessaram o funcionamento do mercado de crédito não apenas nos EUA, mas também na Europa, Ásia e em boa parte dos países emergentes; e vem se propagando com uma velocidade espantosa - em poucos meses a economia real de todo o planeta foi seriamente afetada.

Crise profunda na economia e na política

Na visão dos mais pessimistas, portanto, o que está em curso é um processo gravíssimo e que vai devastar a economia mundial, legando desemprego em toda parte, empobrecendo os ricos e deixando os pobres miseráveis. Dentro desta lógica, os esforços dos governos e bancos centrais seriam insuficientes para conter a crise, que no fundo representaria o despencar de um castelo de cartas fundado no financismo e na desregulamentação destas atividades mundo afora, mas mais especialmente nos Estados Unidos e Europa. Como as finanças alavancavam o crescimento do mundo produtivo, seria inevitável que uma quebradeira generalizada se instalasse em todos os países do mundo. Para quem tem esta leitura da crise, o processo será longo e doloroso, alguns já falam em décadas de turbulências, um ciclo recessivo ímpar na história da humanidade.

Se tal cenário for verdadeiro, não há muito o que dizer do ano de 2009 no Brasil. Historicamente, todos os períodos de crise política séria ocorreram em cenários de crise econômica. Foi assim quando os metalúrgicos de São Bernardo iniciaram as greves que mudaram a história do movimento sindical, logo após a onda de carestia de 1977; foi assim quando o povo saiu às ruas na campanha das Diretas Já, logo após a crise de 1981/2; foi assim no final do governo Sarney, com a inflação nas alturas e ônibus presidencial levando pedras no Rio de Janeiro; e foi assim também por ocasião do impeachment de Fernando Collor, após a mais severa recessão desde a democratização, em 1991/2.

Não há dúvida, portanto, que uma retração forte na economia terá consequências na esfera política. Como se pode ver, porém, nem sempre a crise política é concomitante com a econômica - muitas vezes as conseqüências políticas chegam um pouco depois. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sem dúvida bateu no teto de popularidade possível para um governante - é muito difícil alguém ultrapassar o patamar dos 85% de aprovação. Assim, mesmo com uma crise muito grave, é possível que Lula acabe perdendo parte do seu capital político, mas entregue o abacaxi para o seu sucessor(a). Neste caso, a crise cairia no colo do infeliz que for eleito pelas urnas em 2010, que ainda por cima teria seu governo comparado aos anos de bonança do lulismo...

Os mais pessimistas, porém, acreditam que nem mesmo os 80% de popularidade de Lula estariam imunes à crise. Neste caso, o cenário seria quase inimaginável, pois, para o bem ou para o mal, a depender do gosto do analista, Lula conseguiu em seu governo um pacto de governabilidade que deixou os setores mais radicais sem discurso e a elite satisfeita com a moderação da gestão petista. Se o povão se decepciona com Lula e o PT, na esfera política tudo vira de ponta cabeça. Não necessariamente os partidos de oposição seriam beneficiados, pois a decepção abarcaria toda a classe política. No cenário de colapso econômico e crise política séria, este colunista aposta mais em soluções do tipo messiânicas do que propriamente no discurso tecnocrático e frio de um José Serra ou Aécio Neves. Ciro Gomes poderia despontar como alternativa, mas a verdade é que neste caso qualquer político mais verborrágico poderia encantar o povão. Garotinho, Collor, Heloísa Helena ou, por que não, Protógenes Queiroz seriam nomes a serem levados em consideração para a eleição presidencial de 2010.

Para quantificar o que se apresentou aqui como cenário pessimista, seria uma situação em que o PIB brasileiro sofreria pelo menos alguma queda em 2009, talvez já com deflação e crise cambial instalada. O despemprego subiria para a casa dos 15%, ou seja, dobraria em um ano.

Segundo cenário: pouso forçado, mas sem avarias na aeronave

A hipótese dominante no momento, porém, é a moderada. A maior parte dos economistas prevê que a economia brasileira sofra um baque com a crise internacional, mas permaneça crescendo no ano que vem. Os analistas moderados falam em algo em crescimento em torno de 2% a 2,5% do PIB no próximo ano, o que, dadas as circunstâncias externas, não seria de fato nenhuma grande tragédia. O desemprego subiria um pouco, talvez para a casa dos 10%, mas as demais variáveis macroeconômicas permaneceriam sob controle, isto é, sem crise cambial e sem deflação ou inflação descontrolada.

Em tal cenário, é evidente que a popularidade do presidente Lula também seria afetada, provavelmente cairia dos estratosféricos 85% para algum patamar mais baixo, o qual é muito difícil mensurar, mas pode-se dizer que ainda acima dos 50%. No campo político, os grandes beneficiários na hipótese de impactos moderados da crise no Brasil seriam os políticos com discurso mais técnico e que se apresentam como experientes gestores de questões econômicas. Serra, sem dúvida, mas também Dilma Rousseff e Aécio Neves, para ficar nos mais cotados para a eleição de 2010. O PSOL, por exemplo, poderia pensar, em um cenário deste tipo, em uma alternativa mais consistente à histriônica Heloísa Helena. O diretor deste Correio, ex-deputado Plínio de Arruda Sampaio, seria um nome à altura do debate que estaria colocado na campanha de 2010. Até mesmo o DEM, se se desgarrasse dos tentáculos tucanos, teria o que dizer lançando, por exemplo, o ex-governador Cláudio Lembo à presidência do país.

Evidentemente, o aumento do desemprego e a retração econômica se colocariam seriam para o presidente Lula um desafio na manutenção do pacto que conseguiu selar em seu governo. Movimentos sociais e sindicatos voltariam às ruas, a pressão seria muito maior e pela primeira vez nestes dois mandatos o presidente teria de desagradar algumas das partes – elites ou povão. Mantendo a política econômica conservadora, a consequência aparece nas ruas; agindo de forma mais arrojada, perde o apoio no andar de cima. Deste movimento do presidente dependeria, em grande medida, a vitória de um campo ou outro, governo ou oposição, na eleição de 2010.

Descolamento da crise: Lula de novo?

Por fim, cabe analisar o cenário otimista para 2009. Crescimento do PIB acima de 2,5%, variáveis macroeconômicas em ordem, com o câmbio mais estável e um ligeiro acréscimo no desemprego é tudo que o governo deseja. Para que isto aconteça, há duas condições, talvez complementares: lá fora, o pacote prometido por Barack Obama já teria efeitos bastante contundentes e amainaria a crise mundial; e aqui dentro, o mercado interno sustentaria o crescimento da economia.

Se tudo isto acontecer, o presidente Lula terá a seu favor a tese de que a boa gestão da crise afastou dos brasileiros os graves problemas que afetaram os países ricos. Na boca de qualquer outro, soaria como bravata, na de Lula, será uma arma poderosa de marketing político, permitindo a ele manobrar tanto para permamencer no cargo por mais quatro anos, se for o seu desejo, ou para ajudar a eleger, em 2010, o seu sucessor.

Nada, mas nada mesmo, é pior para a oposição do que um "descolamento" do Brasil da crise internacional. Tal situação coroaria os oito anos de governo Lula, nos olhos do povão, como antítese da gestão tucano-pefelista, que sucumbiu em todas as crises internacionais que enfrentou. Não é preciso ser nenhum gênio para imaginar o presidente repetindo pelo país afora: "antes, o Brasil quebrava a cada pequena crise em países da periferia, na Ásia, na Rússia; agora, o país resiste até mesmo à maior de todas as crises já enfrentadas na história do capitalismo..." Ou, para ser mais simples: "nunca antes neste país..."

Tudo somado, quem quiser acompanhar a vida política brasileira em 2009 vai ter que se ligar na economia. É nesta esfera que estará sendo jogado o jogo político já com vistas às eleições gerais de 2010. Cada novo número será uma pista de qual dos cenários prevalece. Talvez lá pelo meio do ano já seja possível dizer o que está acontecendo com algum grau de precisão.

E a todos os leitores deste Correio, por fim, ficam os votos de um bom 2009, dentro do possível! Que o futuro brinde a todos com um país mais justo e próspero.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.