domingo, 28 de fevereiro de 2010

Se correr o bicho pega, se ficar...

Complicou bastante a situação do governador José Serra (PSDB) com a divulgação da nova pesquisa Datafolha, neste sábado. Serra viu sua vantagem de 14 pontos ante a candidata governista Dilma Rousseff cair para apenas 4, quase um empate técnico. E este é apenas um dos problemas de Serra, como se verá a seguir.

Sim, porque a pesquisa também mostra que a popularidade do governo Lula continua ascendente, tendo batido mais um recorde ao chegar aos 72% de avaliação positiva - e o Datafolha não mede a popularida pessoal do presidente, que sempre se situou quase uma dezena de pontos percentuais acima da do governo. Dizer que pesquisa é fotografia do momento é apenas um clichê, os dados consolidados e as curvas mostram um filme em andamento também. E este filme é o que há de pior para Serra: a aprovação ao governo Lula está subindo consistentemente com a recuperação da economia depois do tombo do ano passado.

É fato que a crise não prejudicou em nada o presidente, que mesmo nos piores momentos do ano passado surfou nas ondas da sua altíssima aprovação popular. Também é fato que uma estabilidade nos patamares em que Lula se encontra já seria por si só uma enorme dificuldade para Serra ou qualquer outra candidatura oposicionista, mas a verdade é que se Lula ainda encontra espaço para crescer, aí então a coisa se torna dramática para a oposição.

Ora, mas quem está na frente é José Serra, poderiam perguntar os mais desconfiados. Sim, o tucano continua na frente, mas já em outro patamar - especialmente quando se considera a sua apertada vitória em cenário de segundo turno (45 a 41). Não é mais favorito e pode começar a campanha atrás de Dilma.

Serrá terá bastante dor de cabeça nesta semana com a pressão dos aliados para que mude a estratégia de permanecer governando São Paulo como se não fosse candidato a coisa alguma em 2010. Ele não quer assumir a candidatura agora porque ainda não tem garantias que julga necessária para encarar a disputa, como o apoio do colega Aécio Neves, que tem dito que prefere ficar em Minas a assumir a vice na chapa de Serra. A atual situação nas pesquisas pode levar Aécio a desistir da empreitada, uma vez que ele nada ganharia sendo vice de uma chapa com chances sérias de derrota.

As paredes dos Bandeirantes sabem que Serra tem um Plano B, o de disputar a reeleição e deixar a sucessão de Lula para Aécio ou quem se habilitar ao desafio no partido. A pesquisa de hoje pode ter ajudado na decisão de Serra? Talvez, mas este blog acha que ele vai esticar a corda até quando der, para obter mais elementos e sentir a temperatura da disputa.

Do lado de Dilma, tudo é festa neste momento. O plano de Lula para a candidata está funcionando e o patamar de quase 30% já foi atingido. Se nas próximas pesquisas ela ultrapassar Serra, terá criado um fato político fortíssimo. E não será surpresa se isto ocorrer ainda em março.

Wagner Iglecias foi bastante feliz na lembrança: o "E agora, José?" é a pergunta da vez. Bem verdade que a resposta depende muito do que virá das montanhas de Minas. A bola está com Aécio, mas ele não tem nenhuma pressa de soltar o jogo. Se recusar a vice, praticamente sepulta as chances de Serra, salvo, é claro, um terremoto do lado petista, o que também não é coisa para se desprezar, haja vista o histórico de aloprados fazendo besteira fora de hora. Mas aparentemente Dilma está firme e não tem muito a cara de fazer bobagens. A oposição vai precisar jogar muito bem para levar esta, pois o jogo será muito duro, mesmo sem a presença de Lula na urna eletrônica.

5 comentários:

  1. Boa noite Luiz Antonio,

    Muito bom artigo.
    Esta eleição realmente será muitíssimo interessante, e a postura de Serra de ficar em cima do muro pode prejudicar os planos da oposição.
    Vamos ver no que dá!
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite Luiz Antonio,

    Sou eleitor da Dilma, e não preciso esconder isto.
    O que estou vendo da questão de Serra, é que esta "indecisão" dele pode inviabilizar a possibilidade da oposição chegar ao planalto. O plano de mídia nacional de Aécio Neves, digo por se mineiro, falhou.
    Aí ele prefere satisfazer-se com a eleição para Senador.
    Não podemos esquecer ainda que a relação dele, Aécio com o Lula parece ser mais próxima do que com FHC e Serra.
    O risco é a eleição presidencail tornar-se plebiscitária, o que como eleitor de Dilma ficaria feliz, mas como cidadão, sabemos que não é bom para nossa democracia.
    Mas vamos ver no que dá, pois há a possibilidade do "ou não", e toda esta elocubração estar enganada.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Caros do Blog,

    Começou hoje a série: A Idade das Trevas - uma radiografia detalhada do ruinoso governo de FHC, em meu humilde blog Terra Goyazes! No ar e na rede, o primeiro capítulo: A Precarização do Estado. No endereço: http://terragoyazes.zip.net

    ResponderExcluir
  4. E aí, fechou definitivamente?
    frank

    ResponderExcluir
  5. Os Tucanos são mesmo malucos se não (1) fazerem do Aécio seu candidato e (2) mostrarem com o maior alarde possível que não são o DEM, não usam o discurso nem as táticas do DEM, e não aproveitam o coronelismo eletrônico que nem o DEM faz. Chegou a hora de dar o tiro de misericórdia ao cadáver morto-vivo de Carlismo.

    Alckmin levou nem um ponto de porcentagem de vantagem sobre o Serra de 2002.

    Neves Neto é mineiro que nem a Dilma.

    É jovem e simpático, moderado no discurso, capaz de comportar-se como cavalheiro com a senhora opositora sem deixar de debater políticas públicas com convicção.

    O nome dele também remete a um tempo antes do pecado original da Nova República -- Sarney-Magalhães, Collor, a aliança Tucano-PFL.

    Têm -- ou tinham -- a oportunidade de mostrar uma cara mais civilizada, mais serena e confiante, ao eleitor -- um partido com um projeto além de simplesmente chegar lá a qualquer custo.

    Até perdendo, comecariam a construir a imagem de uma oposição leal e cidadão, escolhendo a batalhas cuidosamente para não darem a nítida impressão que dão agore de que sou querem atrapalhar as propostas majoritárias da situação de qualquer jeito.

    Eu até dou palpite da lema da campanha, de graça: Um Novo Começo. Há muita coisa que o PT não conseguiu: reforma política, reforma de segurança pública, por exemplo. Tentaram, não conseguiram tudo, estão cansados.

    No assunto de corrupção, fizeram bem, porém (até defenestrarem Paulo Lacerda). Tucanos: deixem o moralismo pra trás e começem a mostrar PowerPoint de projetos concretos e práticos. Uma cara mineira, uai.

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.