domingo, 6 de dezembro de 2009

Conforme o esperado: a cariocada vingou

O Flamengo sagrou-se campeão brasileiro, como já esperavam 10 entre 10 analistas esportivos. Só um lunático acreditaria que o Grêmio entregaria o título de mão beijada para o Inter. Era óbvio demais. O tricolor finalmente jogou com o time titular, enfiou 4 no Sport. Se tivesse jogado com Dagoberto nos últimos jogos, a taça estaria no Morumbi. O Inter também fez a sua parte, é um time aguerrido e forte, mereceu terminar na segunda colocação. Mas o bonito e justo mesmo foi ver a porcada fora do G4 e da Libertadores. Realmente não tem preço ver o Palmeiras apanhar do Fogão e acabar na quinta colocação após 19 rodadas liderando o campeonato... Mas tudo na vida tem explicação: quem botou a liderança e a Libertadors a perder foi a diretoria, que trouxe o tal Love por um salário exorbitante e concedeu aumentos nos vencimentos de apenas parte do elenco. Claro que não podia dar certo...

6 comentários:

  1. O esquerdopata deve ter surtado hoje. Saudações cruzeirenses, nos veremos na Libertadores.

    ResponderExcluir
  2. Saudações CELESTES AO RUBRO NEGRO CARIOCA. PARABÉNS PELA CONQUISTA E NOSSO ENCONTRO SERÁ NO BATE LOCAL: LIBERTADORES DAS AMÉRICAS!

    ResponderExcluir
  3. A campanha do Flamengo foi incontestável, não venha você quer nos desqualificar veja:
    Brasileirão
    # Time P J V D E GP GC SG
    1 Flamengo 67 38 19 9 10 58 44 14
    2 Internacional 65 38 19 11 8 65 44 21
    3 São Paulo 65 38 18 9 11 57 42 15
    4 Cruzeiro 62 38 18 12 8 58 53 5
    5 Palmeiras 62 38 17 10 11 58 45 13

    ResponderExcluir
  4. Não entendi o porquê da "cariocada". Quem está acostumado a ajeitar campeonatos são os paulistas. Ou será que alguém já se esqueceu que a palhaçada ocorrida em 2005? Isso sem falar em 2007 e 2008, o São Paulo & Arbitragem Futebol Clube sendo capmpeão?

    ResponderExcluir
  5. Urubu azarão

    O título do Flamengo foi provavelmente a melhor solução, dentre as possíveis, para o Campeonato Brasileiro. A crônica futebolista terminou desmoralizada, após defender favoritismos enganadores durante o ano todo. O fracasso de treinadores célebres e supervalorizados, como Vanderlei Luxemburgo e Muricy Ramalho, demonstrou que a descortesia e a arrogância não ganham jogos.
    Agora, como sempre, tudo parece comprovar o sucesso dos pontos corridos, esta enorme falácia do podre mundo ludopédico. Poucos admitem, porém, que o triunfo rubro-negro (penta, insisto) contraria toda a cartilha da “regularidade” e da “competência” que parece associada ao modelo.
    Venceu um time fraco, montado às pressas, dirigido por técnico inexperiente, numa campanha irregular, com o clube em permanente crise, cercado de problemas financeiros e administrativos. Até outro dia, os comentaristas das capitais diziam que esse era um exemplo típico das injustiças do sistema com jogos eliminatórios e finais.

    ResponderExcluir
  6. meu caro amigo luiz, sou italiano e acompanho com prazer este seu blog, muito interessante. porem tenho um pedido: pare de monstrar aqui toda a sua soberbia e acrimonia de torcedor do SP ! vc e' pessoa muito simpatica e tem muita competencia politica, nao estrague isso com opinioes nem dignas do mais incompetene torcedor do pior barzinho da sua amada cidade! não tenho medo de dizer que sou torcedor do Palmeiras mas, não sendo tão radical como e' vc no seu amor pelo SP, não tenho dificuldade em dizer que Fla ou tmb Inter mereciam ganhar muito mais do que o Palmeiras, este ano. mas tmb muito mais do que o seu time!! o SP ja' ganhou muito nos ultimos anos, sem voltar aos sucessos internacionais dos anos 1992-3 e 2005, seria melhor - por isso - que pense mais na libertadores, para dar ao futebol brasileiro (que pra mim continua sendo o melhor do mundo) uma vitoria que falta desde 2006. com amizade e admiração para o otimo jornalista politico que vc e' (e pedindo desculpa dos erros).

    ResponderExcluir

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.