Pular para o conteúdo principal

Barriga da Globo quase compromete o Brasil

O artigo abaixo é do jornalista Rui Martins e foi publicado originalmente no site Direto da Redação. É uma boa reflexão sobre o caso, que permanece em aberto, da brasileira supostamente agredida na Suíça. Martins escreve direto de Berna e está acompanhando este episódio de perto. Ainda não é possível saber a verdade por trás da história, mas é preciso reconhecer que a imprensa, brasileira e mundial, mas especialmente a tupiniquim, como demonstra Martis, foi, para dizer o mínimo, afoita na cobertura do caso. A seguir, a íntegra do artigo.

A moça brasileira tinha seus problemas e provavelmente se autoflagelou. É triste.

Mais triste é o quadro da nossa imprensa irresponsável que mobilizou o país, levou o ministro das Relações Exteriores Celso Amorim a criticar um país amigo e o presidente Lula a quase criar um caso diplomático. É hora de denunciar a nossa grande imprensa sem deontologia, sem investigação, que afirma e desafirma sem qualquer cuidado e sem checar as notícias.

A agressão racista contra Paula Oliveira não foi um noticiário iniciado em Zurique, local da suposta agressão. Estourou no Brasil, detonada por um pai – e isso é muito compreensível – preocupado com sua filha distante. E a maior rede de televisão do Brasil, a Globo, vista por mais de uma centena de milhões de brasileiros, não teve dúvidas em transformar o caso na grande manchete do dia, fazendo com que outros milhões de brasileiros, no exterior, já acuados pela Diretiva do Retorno, se solidarizassem e imaginassem passeatas e manifestações.

Essa é a maior "barriga" da história do nosso jornalismo, que revela o descalabro a que chegamos em termos de informação ou desinformação. Equivale ao conto do vigário de Bernard Madoff, ou das subprimes do mercado imobiliário americano. Só que o Madoff está preso, mesmo sendo prisão domiciliar e vivemos uma crise econômica, em consequência dos desmandos dos bancos americanos. Mas o que vai acontecer com a TV Globo e todos quantos foram atrás ? Nada, vai ficar por isso mesmo.

Nacionalismo ofendido

Como um órgão de imprensa de tanta penetração pode se permitir divulgar com estardalhaço um noticiário de muitos minutos, reproduzido online, repicado por jornais, rádios e copiado por outras televisões sem primeiro checar no local? Que jornalismo é esse que se faz sem qualquer investigação, sem se ouvir as partes envolvidas? Sem deslocar antes um repórter para Zurique e entrevistar também o policial responsável pela ocorrência? Sem ouvir a própria envolvida, fiando-se apenas no relato de um pai desesperado? Sem pedir a opinião de um especialista em ferimentos e escoriações?

Quem vai pagar o dano moral causado a essa jovem, que sem querer se tornou primeira página nos jornais? Quem vai desfazer o ridículo ao que se submeteu o nosso ministro Celso Amorim, que, baseado num noticiário de "foca" em jornalismo, sem ouvir acusação e acusado, ofendeu um país amigo exigindo que prestasse contas em Brasília por um noticiário tipo cheque sem fundo? Quem assume o fato de quase levar nosso presidente a ficar vermelho de vergonha por se basear em noticiário sem crédito, com o mesmo valor de uma ação do banco Lehmann?

E mais – o dano sofrido pela Suíça, em termos de imagem, justamente quando seu povo tinha justamente votado em favor dos imigrantes, quem vai reparar?

Essa "barriga" da Globo, secundada pela grande imprensa, é prova do se vem dizendo há algum tempo – não há credibilidade nessa mídia. Publica-se, transmite-se qualquer coisa, e quanto mais sensacionalista melhor. Não há responsabilidade no caso de erros, de noticiário mentiroso: vale tudo, o papel aceita tudo, a televisão transmite qualquer coisa, desde que dê Ibope – e existe melhor coisa que nacionalismo ofendido? É o que os franceses chamam de presse de boulevard, mentirosa, tendenciosa, com a opinião ao sabor das publicidades que se publicam. Sem jornalismo investigativo, sem confirmar as fontes, sem ouvir as opiniões divergentes.

Para a história

Vão pedir a cabeça do redator-chefe? Não, assim que se recuperarem da "barriga", da irresponsabilidade cometida, da vergonha diante dos colegas, vão jogar tudo em cima da pobre jovem, que deve ter seus problemas e que a nós não compete saber, isso é vida privada, não é Big Brother.

É essa mesma imprensa marrom, que induz nossos dirigentes ao erro, que também publica qualquer coisa contra o que chamam de "assassino desalmado" Cesare Battisti. A irresponsabilidade de imprensa é o pior inimigo da liberdade de imprensa, porque pode provocar reações legislativas limitando os descalabros cometidos.

Escrever num jornal, falar numa rádio ou numa televisão e mesmo manter um blog constitui uma responsabilidade social. Não se pode valer dessa posição para se difundir boatos, nem inverdades, nem ouvir-dizer; é preciso ir checar, levantar o fato, mencionar ou desfazer as dúvidas e suspeitas existentes. É também preciso se garantir o direito de ser mencionada a versão da parte acusada para evitar a notícia tendenciosa.

A "barriga" da Globo vai ficar na história do nosso jornalismo, será sempre lembrada nos cursos de comunicações, tornou-se antológica, e nela estão entalhadas, por autoflagelação, as palavras que a norteiam – sensacionalismo, irresponsabilidade e abuso do seu poder.

Existem, sim, problemas contra nossos emigrantes em diversos países, principalmente depois da criação da Diretiva do Retorno pelo italiano Silvio Berlusconi. Diariamente brasileiros são presos e mandados de volta na Espanha, mas isso não mobiliza a nossa imprensa, não dá Ibope.

Comentários

  1. Parabéns.
    Texto perfeito e realista.

    ResponderExcluir
  2. Quase compromete? Já comprometeu! Mesmo que seja comprovado que a brasileira sofreu perseguição, apenas o fato da presunção antecipada e sem comprovação já é erro grosseiro do jornalismo mais elementar! Quanto mais de uma rede que define o modo de pensar do brasileiro e que influiu nas decisões governamentais, em torno do caso.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Entrelinhas não censura comentaristas, mas não publica ofensas pessoais e comentários com uso de expressões chulas. Os comentários serão moderados, mas são sempre muito bem vindos.

Postagens mais visitadas deste blog

Uma vida sabática

Achei estranho quando me falaram: “Xiiiii, não vai sair nada daí”. Perguntei se a mulher não tinha grana pra bancar o projeto e responderam: “Não, o problema é justamente o contrário”. Foi em maio do ano passado, e pelo Zoom, a nossa primeira reunião. Deu pra ver que ela tinha mais livros amarelados e plantas exóticas do que vasos e bolas de murano, e respirei aliviada. Se era rica, não fazia o tipo perua sem personalidade. Usava uma roupa meio guerreira asteca com pinta de caríssima e um brinco azul-claro gigante com pinta de baratinho. Fiquei fascinada por sua figura única e topei a empreitada. Combinamos o próximo encontro para a semana seguinte, mas ela não podia cedo: “De manhã eu descanso porque não tá fácil, né?”. Intrigada, perguntei: “Você tem filhos? Tá sofrendo aí sem funcionários pra te ajudar com a casa? Tá cheia de trabalho? Mestrado?”. Ela respondeu “não” a tudo, e ficamos sem assunto, escreve Tati Bernardi em sua coluna na Folha de S. Paulo, como sempre, texto que vale

Sede ao pote

O exagero, a precipitação e a autoconfiança excessiva são inimigos mortais de quaisquer estratégias. Adver¬sários na vida de modo geral, traduzidos no dito segundo o qual quebram-se os potes de água quando a eles se vai de modo atabalhoado para matar a sede, na política a velocidade desmedida e a imoderada segurança na corrida aos meios e modos do poder são fatais. Podem até render vitórias imediatas, mas semeiam derrotas ao longo do tempo porque nada que extrapola dá bom resultado de modo perene. O que é demais não apenas enjoa como enoja e provoca reações no sentido contrário tão ou mais fortes que a ação abusiva, escreve Dora Kramer na Veja desta semana. Continua a seguir. A ascensão e queda do PT por exorbitâncias cometidas na falta de compreensão do que seria legal ou ilegal no, digamos, acesso à coisa pública é o exemplo mais eloquente no qual os parlamentares do Centrão poderiam e, sobretudo, deveriam mirar para fugir do risco da debacle anunciada no assalto que o grupo faz ao P

Abaixo o cancelamento

A internet virou o novo tribunal da inquisição — e isso é péssimo Só se fala na rapper Karol Conká, que saiu do BBB, da Rede Globo, com a maior votação da história do programa. Rejeição de 99,17% não é pouca coisa. A questão de seu comportamento ter sido odioso aos olhos do público não é o principal para mim. Sou o primeiro a reconhecer que errei muitas vezes. Tive atitudes pavorosas com amigos e relacionamentos, das quais me arrependo até hoje. Se alguma das vezes em que derrapei como ser humano tivesse ido parar na internet, o que aconteceria? Talvez tivesse de aprender russo ou mandarim para recomeçar a carreira em paragens distantes. Todos nós já fizemos algo de que não nos orgulhamos, falamos bobagem, brincadeiras de mau gosto etc… Recentemente, o ator Armie Hammer, de Me Chame pelo Seu Nome, sofreu acusações de abuso contra mulheres. Finalmente, através do print de uma conversa, acabou sendo responsabilizado também por canibalismo. Pavoroso. Tudo isso foi parar na internet. Ergue